Os InVerSos dEnTROoo De MiM!

Seja Bem Vindo em Meu Blog!
Desejo Muito que Possa Apreciá-lo. São Textos e Poemas Escritos Por Mim.
Eu Gosto Muito de Escrever... Na Verdade, Eu Amo Escrever.



quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Mais um "Campionato de Pipas". Tantas Pipas a Voar e Todos a Admirar!

A TROCA

- Miguel, foi difícil demais, cara, conseguir sair de casa tentando enganar a minha mulher.
- Onde você falou que iria!
- Você sabe, não? Sabe que eu já perdi as contas dizendo que iria resolver um imprevisto no trabalho, mas isto estava ficando um pouco repetitivo e complicava porque ela estava desconfiando, então, hoje, eu resolvi matar um amigo de escola que não vejo da tempo, e estou no velório dele.

- Minha nossa, mas como é complicado esta vida, não? Eu também passei aperto para ter de dar explicação! Por mais desligada que seja a minha mulher, ela não se cansa de me perguntar onde vou e... Se caso ela venha a descobrir, não faz nada, só chora e depois me perdoa. A minha mulher é muito sensível e romântica... Ela é muito diferente de mim.
- E onde você falou que iria hoje?
 - Eu tive que viajar inesperadamente, nem poderia ir em casa para me despedir dela, então, cara, como eu sou mais esperto que você, já estou fora de casa desde ontem.

- Verdade? E onde você dormiu?
- Ah, nem te falo! Eu conheci uma estrangeira em uma festa, lá na casa do Ederaldo e dali, fomos para um hotel aqui em frente. Escolhi este hotel para poder escapar bem cedo, queria vir o mais rápido possível ao seu encontro aqui na praia, meu amigo! Aqui que será a melhor festa, este "CAMPEONATO DE PIPAS" está prometendo, cara! Aqui sim que vai ter mulher bonita para a gente azarar! Não vejo a hora de descolar uma gata para ficar aqui nos meus braços até amanhã!
- Até amanhã? Você só volta para casa amanhã? Definitivamente, você realmente é muito esperto e inteligente. Eu só consegui algumas horinhas e o pior que se eu chegar em casa bronzeado depois de vestir preto no velório, vai se complicar e eu vou ter de explicar tudo para ela, cara! Como vou poder explicar isto para ela? Com uma roupa de cor preta, nenhum raio solar consegue ultrapassar. Então, para não ficar assim tão bronzeado, eu vou ter de estar vestido aqui na praia o tempo todo.

- Nossa, que horror! Que mico, você aqui na praia todo vestido! Mas, você hem, Jorge! Não consegue raciocinar direito, não? Uma coisa não tem nenhuma afinidade com a outra. Velório e praia são completamente diferentes. Deveria dizer que iria em algum esporte como golf, tênis... Algum lugar que ela não gostasse de ir e que tivesse sol, meu amigo!
- Aquela minha mulher quer me seguir onde eu vou... Não tem nada que não faça ela desistir de me seguir, então, eu pensei que em um velório ela não viria, como não quis mesmo! Eu cheguei a convidar, mas ela rejeitou.
- Convidar? Mas você está louco? E se ela aceitasse em te acompanhar, o que você faria?

- Eu iria... Iria... Hum... Nossa, cara, sabe que não sei o que faria!
Mas Miguel, me diz uma coisa... Porque que ao invés de vir para praia você não ficou até amanhã com a estrangeira que você descolou na festa?
- Você não imagina o drama, Jorge! Quando acordei, já estando um pouco mais sóbrio, eu consegui ver melhor a mulher e quando vi o que estava do meu lado, eu queria sair correndo, cara! A mulher era feia demais. Sabe, feia? Ela era muito mais feia. Deus que me perdoe em dizer isto, mas nem sei como pude deixar a minha esposa em casa para ficar com uma peste daquela!
Mas, hoje não! Hoje eu vou encontrar a mulher mais gostosa desta praia, pode apostar que vou! Vou ser galante e um gentil homem e quando sentir que ela está no papo, eu vou fazer a melhor festa para compensar! Eu quero encontrar uma mulher assim... Bem aprumada e de preferência com o cabresto bem forte, daqueles que não rompe fácil. 
Quando eu olho lá para o céu e vejo estas pipas voando, eu vejo é na verdade, um monte de mulher... Mulheres de todos os tipos! Olha aquela lá por exemplo, que linda que é! Olhando, eu a vejo alta, magra, rabuda... Olha bem como ela dança e rebola, cara! E quando dá uma descida veloz, parece que vem para te comer! Isto é puro delírio! Olha aquela de cor azul e lilás, Está sacando a diferença? Dá para ver de longe como ela é todo desengonçada, gorda... Ela é gorda demais e nem tem rabo. Nem quero ver uma desta perto de mim! Hoje, não!

- Amigo, quando eu olho, eu só vejo muitas pipas querendo transformar o céu em pura beleza! As pipas que você chama de gordas, são praticamente vencedoras no céu, porque elas voam longe! Eu acho é bonito demais esta coisa de soltar pipas, você não acha? 
É maravilhoso olhar para este céu assim todo colorido! Me traz tantas recordações! Eu em lembro que minha mãe me levava para casa de meus avós quando estávamos de férias e chegando lá, eu soltava pipas com os amigos e me divertia muito. Foi lá na cidade de minha avó que eu aprendi a soltar pipas. Eles davam o nome para as pipas de "PAPAGAIOS E RAIAS" e eu achava estranho, porque aqui tem nomes diferentes.
- É sim, em cada região elas tem nomes diferentes e são tantos como: Raia, Pião, Pitete, Papagaio, Baratinha, Folhão, Cafifa, Pipa, são muitos e cada região tem seu jeito de falar. Sua avó é de onde?
- Era de Minas... Agora, ela já faleceu. Ela vivia próximo a uma fazenda muito grande e as minhas férias, eram férias para nunca mais esquecer.

- Eu também, até aos meus quinze anos, fazia viagens com minha família na casa dos meus avós no interior do Rio de Janeiro e lá eu aprendi demais a soltar minha pipa... Nossa, Jorge, você tinha que está lá para ver! Eu soltava a minha pipa para as mulheradas tudo ver. Foi lá no interior do Rio de Janeiro que eu perdi a minha virgindade e foi com uma mulher que desejou ver a minha pipa de perto! Eu deixei, é claro!
- Miguel, quando você vai deixar de ser uma pessoa assim tão sem-vergonha, meu amigo. Você, muitas vezes parece que é tarado!
Eu vou te confessar... Eu não estou nem aí se caso não encontrar uma mulher aqui na praia. Eu queria mesmo era ver o "Campeonato de Pipas" mas não queria ver tudo isto ao lado de minha mulher, entende? Eu não queria porque ela não me deixa em paz, Miguel. Ela iria me pedir por todo o tempo alguma coisa..."Jorge, faz aquilo... Jorge, faz isso... Jorge, vamos embora... Jorge, eu estou com fome... Jorge, não sai daqui de perto de mim... E assim por diante. Eu não teria paz, Miguel!
Mas, hoje, eu vou me esforçar e tentar ser um pouco mais audaz e vou conquistar uma bela mulher! Eu estou com vontade de conhecer uma mulher que me entenda melhor...
- Eu, ao contrário, quero conhecer uma mulher, para poder comê-la, comer, entende? Fazer sexo, sexo, sexo, por toda a noite! Eu quero encontrar uma que está cansado do marido metódico que tem em casa, uma que está querendo extravasar!
- Eu quero encontrar uma que está cansada do marido safado que tem e que não dá a atenção que ela quer!

- Agora eu vou é rir de você, jorge! Você tem uma mulher assim que te pede tudo, então para que você vai atrás de outra!
- Claro que não! Minha mulher quer somente mandar em mim, ela não me entende. Quando procuro um diálogo ou um modo mais carinhoso da parte dela, ela logo vai pensando que é para fazer sexo. Ou ela quer mandar, ou quer sexo, só isto que ela sabe fazer! 
- Então, vamos parar de papear e vamos para a luta , amigo! Cada um vai para um lado diferente e quem encontrar a mulher desejada, volta para o mesmo lugar para apresentar a sua conquista. Vamos ver o que a gente consegue pescar nesta praia, mãos à obra! Jorge,vê se não vai dar vexame, hem? Eu quero ver coisa que presta na sua mão!
- Olha quem fala... Você acabou de dizer que a estrangeira era um buxo e fica aí contando marra!
- Não vamos começar a brigar por causa de mulher, hem amigo? Aqui tem um mar delas, para que brigar?
Vamos logo estou louco para me aventurar! Vamos ver quem é o mais rápido nisto?
E... Assim foram cada um para lados diferentes...



E... As Horas Foram Passando, o Sol se Esquentando e as Pipas Voando!

 - Jorge, a pesca foi muito boa, amigo! Te apresento... Martha? O que você está fazendo aqui? 
- Eu que te pergunto, o que é que você está fazendo aqui? Você não estava fora da cidade em viagem a trabalho?
- Não é nada do que você está pensando, meu amor! Olha, eu posso te explicar tudo muito bem!
- Eu não quero mais as suas explicações! Eu quero mesmo é o divórcio! Saiba que com você, eu não quero viver por mais nenhum segundo.

E enquanto isto, um outro bate boca acontecia...

- Jorge, Que horror! Não posso acreditar que é você! Então, vai ou não me explicar? É assim o velório que você foi? Ai meu Deus, o sangue desta sua mulherzinha aqui, está fervendo! E quem é esta mocreia aí do seu lado?
- Olha aqui, mocreia é a sua mãe, sua vagabunda! Eu tenho nome, me chamo Martha. Respeito é bom e eu gosto! O que você está fazendo ao lado do meu marido?
- Marido, Martha? Quando nos falamos e te convidei, você não me disse que era casada?
- E nem você seu safado de praia! Chegou perto de mim como um anjo, quase que me prometia voar como estas pipas de tanto romantismo que você cuspiu! E eu acreditei. Acreditei, sabia?

-Olha aqui, primeiramente, safado é o seu marido, que veio até a mim dizendo palavras doces para me enganar e depois, o meu marido não é nada romântico, ao contrário, meu marido é muito silencioso, raramente conversa.
- Não foi isto que você falou para mim, Rebeca! Você falou que sofre demais com seu  "n a m o r a d o", porque ele é muito violento!
- R E B E C A? Namorado? V i o l e n t o? Miguel, a minha mulher se chama "D é b o r a" e não Rebeca! Ela mentiu em tudo para você. 
Débora, eu não converso com você porque é inútil. Você não sabe escutar, só quer mandar! E... Martha acredite, eu não cuspi palavras românticas como você acabou de falar. Eu disse a verdade para você, acredite em mim! Acredite, por favor!

- MARTHA, VAMOS PARA A NOSSA CASA, AGORA!
- Não! Daqui eu não quero sair, saia você com esta vagabunda de perto de mim.
- Quer parar de me chamar de vagabunda? Olha só quem fala, toda aí quase deitada nos braços de meu marido e me chamando de vagabunda! 
Jorge, Vamos nós para a nossa casa agora, lá a gente lava a roupa suja, vamos!
 - Não Débora, eu não vou. Não volto mais para casa. Sabe Miguel, vocês dois formariam um belo casal... Te presenteio, você fez mesmo uma bela pesca. Vamos embora daqui, Martha?
- Vamos! 
Miguel, eu falei sério, eu quero o divórcio.
- Martha, eu queria te pedir somente uma coisa... Não minta mais para mim, tudo bem?
- Não vou mais mentir, Jorge!


E desde este dia, o "Campeonato de Pipas", Jorge a cada dia se apaixona mais por Martha. Naquele dia, foi amor à primeira vista e por isto aconteceu A TROCA!
Apesar de ter iniciado com mentiras aquele relacionamento, nunca mais mentiram um para o outro. Eles vivem juntos e pretendem ter um filho para concretizar este amor.
Miguel, ainda está sozinho e de vez em quando, quando não encontra algo melhor para fazer, procura Débora para sair, mas por todo o tempo que estão juntos, vivem mentindo um para o outro. 
Miguel e Débora, não mudariam jamais o seu modo de ser por ninguém, porque eles são egoístas e individualistas!


Autora do conto: Aymée Campos Lucas 
Autora da Tela:  Sueli Gallacci


Criando mais um conto, com a mesma Pintura em Tela! Visões diferentes, com a mesma imagem. 
Neste conto, procurei criar uma Comédia Romântica!
Estou dando continuidade a mais um trabalho em conjunto com Suely Gallacci, criando contos através de suas belas "Pinturas em Telas".
Quem desejar apreciá-las, poderá encontrar vários trabalhos em seu Blog "A Cor Da Gente"



terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Tantas Pipas... O Céu Se Coloriu Como Um Campo De Tulipas!


CAMPEONATO DE PIPAS... É O VERÃO QUE ANTECIPA.
MAIS PARECE UM CAMPO DE TULIPAS!

Aquela praia que por todo o Inverno e Primavera estava praticamente abandonada, ao improviso surge um imenso colorido por toda a areia e por todo o céu, com a antecipação de verão... Faltava apenas alguns dias para que o verão recomeçasse, mas aquele "Campeonato de Pipas" fez com que as pessoas saíssem de casa para festejar o sol que mesmo antes do verão chegar, já estava raiando tão cedo!
Tantas pessoas que haviam perdido a vontade de abrir as suas janela bem cedo, se despertaram com os barulhos que a muito tempo não existia naquela praia.
Os olhos de Alexia brilharam ao ver por todo o céu uma grande festa... O céu se coloria com todas as pipas que mais parecia um campo de tulipas. Ela vestiu correndo os seus trajes de banho e sem falar com ninguém, saiu para ver de perto todo aquele esplendor, com o desejo de depois poder se expressar criando um desenho para a sua nova pintura em tela. 
Para Alexia, era sempre um prazer poder ver algo diferente, porque ao ver, criava em sua mente uma imagem, para poder produzir mais um trabalho que na verdade era pura satisfação!
Naquela praia, ela sempre corria e exercitava, mas hoje iria fazer muito mais do que isto, iria admirar belezas criadas pelo homem, que faz a natureza ficar ainda mais bela!

- Viu que coisa mais linda, Alexia! Você chegou cedo na praia? Porque não me avisou? 

- Eu não quis te acordar tão cedo. Sabia que você viria. Realmente eu vim para cá muito cedo... Acordei com vozes e ao chegar na janela de meu quarto, havia tanta gente aqui na praia preparando as suas pipas que eu não resisti, senti muita vontade de descer para ver de perto. Acho que é um campeonato. Olhando bem, tem cada uma mais linda do que a outra!
Sabe, Denise, quando fiquei olhando, a um certo ponto, senti vontade de me sentir livre como uma destas pipas que estão no ar! Faz tempo que em minha vida me sinto privada das coisas... Na verdade, ela me aprisiona. Eu queria ter a liberdade delas, para sentir mais conforto. Estou tão cansada de lutar, lutar e não me sentir livre.

- E desde quando uma pipa é livre?
Alexia, não suporto este seu romantismo... Tem vez que ele me dá náuseas, sabia? Você é muito mais livre do que todas estas pipas que estão ai no céu. Na verdade, você cria toda esta ilusão romântica para poder criar os seus desenhos, mas não pode passar disso, Alexia! Olhe para você, veja o quanto você é linda e depois pense... A sua liberdade é você quem cria! 
Você de vez em quando precisa ver a realidade das coisas, a realidade da vida! Comece a pensar de uma forma realista e veja o quanto uma pipa está limitada a ter liberdade. Ela não voa se não houver um controle humano. Dependendo do dono que a controla daqui de baixo, dependendo das dificuldades financeiras dele, a linha que seria usada para controlá-la, não lhe daria nem cem metros de liberdade. Este então, seria o limite de liberdade que esta pipa teria. Isto sem falar do dono, que não podendo comprar a linha certa, poderia causar um desastre a esta pipa, ao surgir um vento forte. Ela cairia pelo chão, quando a linha arrebentasse.
Coitada, uma liberdade limitada que ao tentar escapar se soltando para se sentir livre, percebe que sua liberdade era muito limitada. Esta é a realidade minha amiga... Pipa solta, não voa... ela cai atoa! E depois, parece mais uma criança fugitiva... Desaparece e ninguém mais consegue encontrar.
Alexia, em qualquer objeto que olharmos, em qualquer parte da natureza que apreciarmos, poderemos ver a vida como ela é de verdade, em vez usar a ilusão para apreciá-la.
Este papo de que eu vou voar através de meus sonhos, pousar nas folhas como borboletas, sentir seu cheiro através do mar, é pura ilusão. Se for verdade, me fale agora se você já sentiu o cheiro de alguém quando está perto do mar? Se sentiu, te direi que esta criatura fede demais, porque o mar tem este cheiro de maresia que muitas vezes não é nada bom!

- Denise, você algumas vezes me enraivece com suas realidades. Ela tira de mim uma felicidade que poderia estar nascendo. Você é minha grande amiga, mas este seu realismo também me dá náuseas. Eu acho que para vivermos com mais tranquilidade nesta vida, muitas vezes devemos nos iludir, porque muitas vezes a ilusão são sonhos que podemos realizar. 
Tudo bem, voar sem ter asas é um pouco absurdo, mas se sentir livre foi o que eu vi ao olhar estas pipas. Senti vontade de ser livre assim... Eu vi todas elas livres de qualquer coisa em volta que pudesse trazer desconforto. Eu vi seres em busca de alguma coisa, não é que eu vi pipas e cordas e gente controlando... Eu vi o buscar de alguma coisa.

- Ah! Entendi. Mas, porque você precisa de olhar coisas para entender o que quer fazer? Porque não faz e pronto! 
Tudo bem, vamos supor que você consiga a liberdade que deseja, sair sem que nada pudesse te incomodar... O que você faria com ela? Para onde iria?
Este mundo é tão grande, mas em qualquer lugar que você for, pode ter certeza que terá de seguir regras. Até em uma ilha deserta você teria de seguir algumas regras para sobreviver. 
Não se engane, Alexia. A liberdade é e será sempre momentânea. Ela é como a felicidade! Tente, e depois me fala se antes de sua morte, você conquistou esta total liberdade.

- Foi só um desejo que senti, só isto!

- Quer liberdade, Alexia? Você realmente a quer? Não é difícil, na verdade é muito simples... Se tranque em um quarto, onde poderá se conectar com a internet, escute uma bela música, não se preocupe com os problemas lá fora, respire fundo, se acalme e depois ligue o seu computador. Saiba que não tem liberdade maior que esta. O mundo todo estaria diante de seus olhos. E você? Você poderia ir para onde você quisesse, apesar de sabermos que o computador, também vai te ditar algumas regras.


- Denise, não é este tipo de liberdade que estou falando. Me trancar, não ver coisas verdadeiras, não respirar este ar que é tão bom quando estamos perto da natureza, não sentir a pele molhada em águas cristalinas dos mares... Sabe, é muito difícil conversar com você. Esta liberdade que falou, eu não desejo... Se você acha que liberdade é isto, Aproveite você tudo isto que falou.


- Desconjuro! Só falei deste modo, para poder te mostrar que uma liberdade plena, nos leva a uma prisão. Porque se uma pessoa não vive as regras, é porque ela se isola e se isolando vive em solidão e vivendo assim, só dentro de um lugar onde ninguém e nada pudesse entrar. Citei o computador porque ele te mostraria coisas do mundo, sem ter de estar fazendo parte desta vida, seguindo regras. 


- Que eu saiba, isto só tem um nome! Eu acho que jamais poderíamos igualar liberdade plena com uma prisão. Eu sempre ouvi dizer que estando dentro de um comodo sem sair, é o mesmo que uma prisão e não liberdade. 


- É, seria se não tivesse um computador... Com ele tudo muda! Mas, eu não suporto estar perto de um computador por muito tempo. Eu quero sair, seguir as regras e muitas vezes conseguir ignorá-las. Eu quero mesmo é me aprisionar nos braços de um homem, eu quero festejar, me acorrentar dentro de um iate... Eu quero viver os pequenos momentos de liberdade que eu tiver, eu quero aproveitar!


- Denise, você está certa desta vez... A liberdade é mesmo momentânea. Mas, ao ver todas estas pipas pelo céu, neste dia de quase um novo verão, me trouxe tantos desejos e olhando eu comecei ver muito mais do que pipas... Eu via Tulipas colorindo tudo, como se todas estas pessoas estivessem ofertando flores para Deus e ele nos presenteando com este sol, que hoje está radiante!


- É a vida, Alexia. E nesta vida, cada um vê como deseja! Hoje você acordou desejando isto, e Deus te mostrou de uma forma bela o que você desejou. 
Temos sempre de agradecer de estarmos vivos, Alexia! Porque quando fecharmos os olhos, só Deus é que vai saber o que veremos. Então viva da maneira que ele te ofertou e se você tiver que buscar algo para você, esteja muita atenta aos sinais dele, porque ele sempre estará te mostrando de alguma forma.

E... Depois de discutirem sobre a vida, saíram caminhando para perto de todos aqueles que festejavam aquele dia de um quase verão! Aquele dia de liberdade!


Autora do conto: Aymée Campos Lucas

Autora da Tela:  Sueli Gallacci


E assim, estou dando continuidade a mais um trabalho em conjunto com Suely Gallacci, criando contos através de suas belas "Pinturas em Telas". 
Quem desejar apreciá-las, poderá encontrar vários trabalhos em seu Blog "A Cor Da Gente"