Os InVerSos dEnTROoo De MiM!

Seja Bem Vindo em Meu Blog!
Desejo Muito que Possa Apreciá-lo. São Textos e Poemas Escritos Por Mim.
Eu Gosto Muito de Escrever... Na Verdade, Eu Amo Escrever.



sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Aventura de Louco...Todo Mundo Quer um Pouco!... XXV

Onde Nasce uma Paixão!

Corri ao encontro de minha irmã, pois já estava até um pouco atrasada. A encontrei naquele bar que programamos e, depois de esperar que ela terminasse o seu café, voltamos ao hotel como duas inocentes. Letícia em momento algum me perguntou sobre como poderia ter sido... Ela sabia que aquele momento era só meu! Só  meu e de mais ninguém!
Chegando ao Hotel rapidamente partimos para o sítio. Seria uma longa viagem.
Júnior estava bem melhor da febre. O meu carinho era muito grande por ele, mas não o amava... Permaneci muda por toda a viagem... Quando o olhava, me sentia muito envergonhada, mas de maneira alguma arrependida.
Eu amava toda a maneira de ser de Juliano. Não teria espaço para mais ninguém.

E assim, a estória continua...
Uma Verdade Escondida. 
Difícil Demonstrar o Quanto Estou Envolvida.

Falsidade, Mentira, Infidelidade... Tudo vem à Tona. E' como um Prédio Bombardeado em sua Superfície... Ele Desmorona. Principalmente se esta Superfície foi Construída sem uma Base Solida, Concreta.  
Pode Passar Dias, Meses ou Ano, mas Aparece o Engano.

Falei que seria clara com Júnior, mas como poderia? Não estou pronta. Mas quando é que alguém esta pronta para uma situação criada de  uma maneira errada? Tem que surgir a coragem de afrontar, de ser leal e lealdade aqui entre nós desapareceu. 
Júnior é uma pessoa que confiava em mim e eu o enganei. Poderia ter revelado o que vinha sentido para que ele pudesse fazer sua escolha... Eu desejaria que ele fosse assim comigo, mas será que seria?
Raramente uma pessoa, quando faz uma escolha, desfaz de algo que vive antes de ter se decidido. Isto  vale para tanta coisa, não seria só para casais que não se entendem... Em qualquer tipo de relacionamento ou até mesmo um trabalho. Se uma pessoa vai deixar um trabalho por ter recebido uma melhor proposta, mesmo sabendo que seu patrão esta satisfeito, ele só vai avisá-lo que se transfere depois de receber respostas concretas do outro novo trabalho. Mas... Se um patrão o despede, ele se amargura culpando o patrão dizendo que não foi leal, sabendo que este só o despediu por ter encontrado outro meio de não precisar mais de você. E' um circulo... 
Um circulo vicioso, tudo roda em torno de você e você sempre será o ultimo a saber da traição. O empregado que perde seu emprego, o patrão que perde seu funcionário, o namorado que perde a namorada ou vice versa, um marido que perde a mulher, a mulher que perde o marido, um amigo traído... Será sempre assim, mas não queria estar fazendo parte de um círculo vicioso da parte do cruel, porque é mesquinho. Quem o faz pensa que o fraco é aquele que está perdendo, mas para mim não é! O fraco é aquele que é desleal. 
Eu me sinto fraca e perdida por estar magoando Júnior. Ele confiava em mim, e não fui disposta a agir corretamente só para não perder o que desejava.
Juliano se tornou tão importante para mim e tudo que aconteceu foi rápido demais. Eu não projetei, tudo isto foi para mim inesperado... Eu perdi a razão. Agora, confio nele, mas quanto eu posso confiar? Foi somente um começo, um encontro de corpos e estou indo para tão longe!
Muitas vezes, para podermos fazer escolhas acabamos caindo nesta rede, como se fossemos encurralados, não encontrando uma saída. Não encontramos esta saída por termos medo de magoar um alguém, que no final, por demorarmos tanto a revelar um erro, acaba sendo muito mais magoado que antes.

  
Uma Janela fechada. Me sinto uma janela fechada para este relacionamento... Para Júnior e para um futuro com ele. Não quero abri-la para ver o sol a cada manhã junto a ele. Eu fechei a minha janela... Todo o meu corpo se fechou. Principalmente meus olhos e por mais que tente abri-lo e procurar o sol em seus olhos, eu não consigo ver toda a sua beleza porque quase nada me atrai, apesar de ainda gostar de seu forte abraço e de seu olhar sorridente e brilhoso.
Tem tanta coisa linda em Júnior... Me lembro uma vez quando ele me disse que se eu quisesse realmente estar junto à ele,  faria de tudo para que isso se tornasse realidade, porque estava me amando. Mas precisava de uma decisão minha, uma resposta do que eu queria para que ele pudesse fazer o que desejava. Não dei valor a isto, não acreditei em nada por sentir ao meu lado um homem tranquilo e silencioso e indeciso.
Não me lamento... Não desejei, não senti vontade de ficar com ele, depois que vi Juliano. Seu modo de ser me atrai muito mais. 
Sempre que estive ao lado de Juliano não sentia falta de Júnior, Juliano, para mim, sempre foi um homem participativo, comunicativo, e envolvente. Ele não precisa falar o que faria... Ele faz! 
Só de olhar em seus olhos, percebo o que ele quer realmente. O que ele quer não influi em o que eu possa querer... Ele quer e pronto! Toma as suas decisões e não vai se certificar o que eu faria para que isto pudesse se desenvolver... Ele faz desenvolver e isto me envolveu a cada dia mais. 
Mas como dizer isto para Júnior? Como dizer que eu ainda o acho infantil em tantas coisas? Como dizer que ele não é um homem decidido e capaz de tomar decisões sozinho? Eu teria que dizer tudo isto com muita calma, mas demonstrar uma fraqueza como esta, nem com toda a minha calma o aliviaria da raiva ou vergonha de ser criticado por uma pessoa em que ele confiava e pensava que o admirava por ser assim. 
Não desejo administrar um homem. Dizer o que ele deva fazer ou não, mudando o seu modo de ser... Quero que este homem saiba agir e fazer desenvolver a nossa história sem que eu tenha de dizer no que tem de mudar. Eu quero somente fazer a minha parte, para que uma história a dois cresça cada dia mais. 
Prefiro ser como um passarinho solitário, em vez de viver algo que eu não consigo me sentir realizada, mesmo tendo dúvidas sobre o que eu escolhi. Eu não sei se Juliano fará realmente parte no futuro em minha vida. Mas sei que a solidão a dois é pior que estar realmente sozinha.


Viagem cansativa... Júnior ainda se sente fraco e agora, está começando a reclamar por estar sentindo muito frio. Sua febre iniciou e está começando a aumentar e por isto o frio o domina. Ele queria me abraçar para se aquecer, desejava o meu calor, aquele que não existia mais... Mesmo assim o abracei, achando que o deixaria sentindo mais frio que antes. Nem meu beijo o aqueceria.
Tínhamos comprimidos no carro para que ele tomasse, mas ao sair ele tinha acabado de tomar um. O efeito estava passando, mas o tempo ainda não nos permitia de fazê-lo tomar outro remédio. Apenas duas horas se passaram por toda a viagem, seria perigoso fazer uso de remédios incontrolavelmente...
- Na minha opinião, ele deve tomar agora. Temos muito tempo pela frente para chegarmos no armazém de seu Filipe e ele pode piorar. 
Falou Lucas dando sua opinião.
- Vida, é apenas uma garganta inflamada e a febre não passa de um aviso, ele não vai piorar... Podemos esperar sim! Isto seria o certo. Não se brinca com remédios.
Falou Letícia recriminando Lucas. Letícia é contra uso de remédios, quase não o usa. Ela prefere o modo natural de cura. Me lembro um vez quando ela dias e dias tomava chá de alho para a cura de sua garganta e quando ela passava perto de mim eu quase vomitava. Eu odeio alho e se Júnior fizesse isto ai sim eu me afastaria dele de vez. 
- Eu não entendo muito de como se deva usar um remédio, mas penso que se deixarmos a febre aumentar, acho que seria pior que tomar antecipadamente um outro remédio. Júnior é adulto e penso que não causaria danos. Lucas esta dizendo que a viagem ainda será longa e não seria bom para Júnior se sentir mal por todo o tempo... Acho angustiante!
Quando falei assim, ele me olhou falando sorrindo por se sentir protegido por mim.
- Não sei o que faria sem você! Na verdade estou muito preocupado e quero chegar logo lá no armazém para ligar para minha avó... Ela saberia o que fazer comigo, quando me sinto mal ela sempre sabe o que fazer.
- Mas o que você está dizendo Júnior? Isto é muito infantil da sua parte. Não penso que você deva preocupar a sua avó por algo assim. Você não está morrendo, não sofreu um acidente, não será preocupando sua avó que tudo vai se resolver, pois ela está longe demais para te curar.
Falei completamente irritada.
- Amor talvez ela saiba o que eu deveria fazer! Ela sempre sabe.
- Aqui também tem pessoas que sabem...  Falar com ela só vai preocupá-la mais nada. Muito infantil! Só falta você ligar para ela para saber como deve se vestir... Porque não ligou para ela quando fazíamos amor? Isto não foi preciso, mas deveria! Deveria porque talvez ela soubesse como fazer amor melhor do que você!
-Olívia! O que está dizendo? Porque ferir desse modo Júnior? Ele só sentiu vontade de receber proteção de quem ele confia.
Falou Letícia chamando a minha atenção pelo meu modo grosseiro de falar.
- Se Júnior ligar para a sua avó, eu não cuido mais dele por nenhum minuto... Penso que ele deveria confiar em mim, mas visto que não confia, deve ser porque realmente não sou confiável. E não sou mesmo, não quero continuar esta nossa história. Neste momento para mim acabou.
Júnior ficou totalmente nervoso com a minha atitude. Sentiu vontade de me acalmar mas me olhava incrédulo.  Queria me abraçar e beijar mas se sentiu envergonhado diante dos amigos, pois quando tentou eu me afastei. Seu olhar dizia: "beija-me amor, beija-me... Você está certa, agora eu tenho você"... Mas eu não o queria e ele sentia isto de mim. Deste modo não o beijei.

Agi de um modo completamente improvisado, inesperado.

Não queria ter agido assim... A raiva me dominou por já sentir desejos de interromper este nosso relacionamento que para mim não funcionava de todas as maneiras. Eu não aceito o modo de ser dele.
Agi como se estivesse destruindo algo que para ele tinha valor, pisando em seus sentimentos ou alguma coisa que ele acreditava que iria crescer fazendo aumentar cada dia mais, como se aumenta uma coleção e naquele momento eu estava destruindo cada pequenos momentos construído que para ele existia sentimento. A sua coleção de esperança e sentimentos estava sendo quebrada ao pisar sem do no seu modo de ser.
Ele estava magoado, mas eu estava vulnerável... Poderia não demonstrar, mas estava. Quem me conhece sabe o quanto sei magoar alguém quando tomo alguma decisão ou algo me irrita. Este meu modo de agir, depois me faz sentir vulnerável porque a fragilidade que existe dentro de meu ser é grande demais e meu modo grosseiro é a minha defesa. Estou agindo assim para me defender por não aceitar em errar. Meu erro me corroí dentro.
Deveria ser Júnior a se sentir assim ferido, ofendido. Talvez esteja se sentindo magoado mas parece que eu não o entendo. Quantas vezes já senti vontade de entender Júnior mas ele não ajuda a dar clareza. Na verdade o não entender influi tantas outras coisas... 
Estou dentro deste carro me sentindo um monstro querendo estar longe de todos.

Longas horas se passaram...

- Eu vou examiná-lo... Mas em casos como estes, tenho a certeza que para melhorar o mais rápido possível, na minha opinião Júnior teria de tomar injeções à base de antibióticos e daqui a dois dias ele estaria bem melhor.
Falou Elisa para nós, enquanto Júnior estava ao telefone conversando com sua avó. Ele não deu nenhuma importância a nada que mencionei. O ameacei dizendo que não estaria mais com ele por me sentir inconfiável e nem assim o intimidou e este seu modo de agir me irritou mais ainda. Demonstrou que o que sente vontade de fazer, mesmo que eu venha a recriminar, ele faria. Me senti mais ainda uma inútil na vida dele. 
Para mim uma pessoa deve fazer algo do modo que quer, quando alguém que ama não interfere, mas se existe uma interferência, acho que deveria pensar e procurar respeitar. O respeito para mim é tão importante!  
Quem sou eu para dizer sobre respeitar... Eu também não soube respeitar... Havia traído e não poderia exigir nada dele. O certo seria ficar indiferente e procurar distanciar a cada instante ao ponto de pensar: "Para mim é igual se você está perto de mim ou não." 



Ele depois que falou com sua avó, se aproximou de nós com um enorme sorriso, como se aquela pessoa pudesse ser a única que o ajudaria. Estava todo agasalhado, sentia frio mas seu sorriso demonstrava o quanto aquele telefonema tivesse sido importante para ele e que agora ele estava tranquilo. Era como se nem ligasse, se eu fizesse parte da vida dele ou não.
Porque sentia este ciúmes? Eu deveria ficar satisfeita por ele ignorar a minha opinião... Sentia como se ele estivesse me apunhalando de frente. Não sei o que é pior... Apunhalar de frente ou nas costas de alguém que deveria na verdade amar incondicionalmente. Um amor para durar dita regras e são poucos que conseguem respeitar e entender o ser que um dia escolheu para estar ao seu lado.


O armazém de seu Filipe tinha de tudo e o bar daquele lugar era até bonito. Estávamos sentados ali aguardando que Elisa o medicasse. Eles foram para um pequeno consultório que ali existia só para pequenos exames e Júnior antes de entrar, retornou e me olhou pedindo que eu o acompanhasse e assim fiz... Depois que Elisa o examinou com um aparelho de respiração, pegou uma palheta de madeira ordenando que ele abrisse bem a boca. Ao examinar falou:
- Realmente a febre estava constantemente alta porque sua garganta esta muito inflamada Júnior.
Posso te receitar anti-inflamatório e antibiótico eficaz, mas na minha opinião o melhor seria tomar logo algumas injeções com doses de antibiótico para que a ação seja mais rápida.
- Mas Elisa, se ele tiver de tomar injeções, lá no sitio não saberíamos como aplicar... Você poderia ir até lá? Acho que se ele tiver de vir aqui, sairia do repouso e isto não seria nada bom! Desde ontem ele está se sentindo muito mal e se abateu com isto, penso que o melhor seria repousar constantemente.
Falei tentando achar uma solução. Eu ainda tenho carinho por ele... Não consigo me desprender.
- Amor eu prefiro tomar remédios... Tenho medo de injeção.
Falou Júnior com temor. Ele ainda me chamava de amor... Tudo que falei antes ele ignorou e acho que é porque gosta mesmo de mim. Talvez depois quando estivéssemos sozinhos, ele falaria sobre a minha ira. Mas não era somente uma ira, era para mim uma decisão.
- Claro que eu posso ir sim lá no sítio Olívia. Para mim não seria nenhum problema... Usaria um medicamento de 24 horas de efeito, assim iria somente uma vez por dia. Não precisaria de muitos dias para se curar.
Falou Elisa. 
- Júnior, você vai tomar injeções mesmo que tenha medo, porque daqui a 5dias você estará partindo para sua cidade. O melhor a fazer é curar de vez este mal de garganta, em vez de estar dentro de um ônibus se sentindo novamente mal.
Falei ordenando de um modo que parecia mais uma mãe que uma namorada.
Fiquei pensando "O que será que faria a sua avó no meu lugar? Daria mel e muitos beijos? Eu não. Em momentos como este sempre fui muito autoritária e exigente. Só faltava ele tornar a ligar para a sua avó só para  saber o que era melhor a fazer.
O olhava e me sentia mal por não conseguir dar carinho para Júnior como ele queria. Não aceitava seu modo de ser que muitas vezes parece infantil, medroso e incapaz de pensar corretamente. No início eu não vi nada disto... Só via o que me alegrava. 
Tem vez que penso que para amar alguém não deveria ser do modo que eu fiz... O não saber esperar se conhecer melhor, para amá-lo de verdade. 
O fazer amor de imediato, não influi tanto para poder conhecer a fundo uma pessoa... Faz parte do amor o tal desejo, mas muitas vezes penso que deveria ser como nos tempos antigos, onde existia o apreciar a personalidade e o modo de ser de alguém primeiro e por um longo tempo... Para depois sentir o explodir de desejos apenas com fortes olhares e muita timidez se tornando totalmente prazeroso estar dia a dia com aquela pessoa. 
Mas atualmente tudo mudou e o sexo vem primeiro para depois se conhecer. Isto faz muitas vezes uma história não ter duração, quando passa a não gostar de comportamentos que nos perturbam e não sabemos aceitar que façam parte deste amor. 


"Pensando agora em tudo que fiz e tudo que desejo, me fez lembrar de um filme que gostei tanto e ao relembrar, me fez sentir vontade de ser assim... Foi um filme que me envolveu demais: Orgulho e Preconceito. 
Nos dias atuais, se agisse daquela maneira, acho que não teria ninguém ao meu lado, todos se afastariam porque encontrariam pouco mais adiante, outra pessoa para o seduzir e nem precisaria pensar em mim... Se pudesse ter nascido naquele tempo eu seria completamente satisfeita em amar alguém como eles amavam. Conhecer primeiro para amar qualquer um de seus defeitos, demonstrando que juntos tanta coisa poderia mudar. se cada um ensinasse razões certas um ao outro. Seria como tecer um enorme novelo de lã e no final ver todo o trabalho pronto e sólido e Difícil de se desfazer! 
  

Desejo ser assim mas na verdade, é por me sentir errada que estou pensando deste modo, como se
procurasse uma desculpa para todo o meu erro. Nem sei mais o que digo, porque o mínimo que poderia ter feito neste atual tempo, era não trair e... Nem isto eu fui capaz de fazer. Agora é inútil me lamentar."
Fugi de meus pensamentos com os gritos de Júnior. Elisa aplicou a primeira injeção que mais parecia uma tortura. Gritava desesperadamente chamando a sua avó. Eu estava vendo uma criança que ainda não foi capaz de cortar o cordão umbilical. Eu não conseguia achar nada daquilo engraçado... Naquele momento só pensava em uma coisa: 
"Como poderia me relacionar com um homem que não demonstra capaz de se sentir seguro, para enfrentar as mil barreiras que na vida encontramos? Eu quero ao meu lado um homem corajoso e seguro, e não um que tenha medo de coisas simples da vida.
Este tipo de atitude é coisa de criança que se assusta com algo que acontece pela primeira vez. Quando uma pessoa é capaz de saber o que é bom ou ruim na vida, deveria simplesmente fechar os olhos para algo que não gosta, relembrando de coisas que a fez feliz... Pensa em uma fruta que vai comer ou a praia que viu. Desse jeito esquece do medo e da dor que está para surgir, porque é como um relâmpago."
Para uma mulher que está iniciando um relacionamento e ainda não sabe bem o que sente, ver uma cena como esta, pensaria rapidamente em não querer continuar. 
As mulheres geralmente além do prazer, procuram homens que possam lhe proteger e não um que parece não ser capaz disto... No fim quem protege somos nós.
 


Me sentia um cãozinho de guarda. Por todo o tempo que Júnior se sentia mal, eu não conseguia sair de perto dele. Achei necessário protegê-lo. Mudei meu comportamento ao chegar no sitio e me preocupava com ele porque ele não melhorava. 
Ele sabia que estava fria com ele e muitas vezes não dava carinho, mas dali eu não saía. Era como se me sentisse culpada o tempo todo. Ele falava pouco... Evitava tocar no assunto que causou a minha distância. Ao acordarmos, sentia suas mãos me tocarem carinhosamente e quando o olhei, ele chorava... Me olhou tentando secar as lágrimas e falou:
- Não quero te perder amor. O que eu posso te dizer é que minha avó é tão importante quanto você. E se eu senti vontade de falar com ela, não era porque você não poderia me ajudar... Era somente para mostrar a ela o quanto eu sinto a falta dela, principalmente se me sinto mal.
Falou carinhosamente me deixando mais ainda constrangida. Não sei se o melhor era ficar calada, mas não me contive...
- Júnior, não é só por isso...
Quando estava para falar o porque de agir daquela maneira, alguém bate na porta do quarto. 
Era Cornélia que depois de longos dias distantes, veio logo nos ver. Mas ela não estava sozinha... Ao lado dela havia Elisa pronta para aplicar a próxima injeção e nas mãos de Cornélia havia um urso com um enorme coração. Era o urso que Juliano tinha me presenteado. Era o meu urso...
Fiquei muito agitada, não sabia disfarçar o meu nervoso quando Cornélia me entregava dizendo que alguém tinha pedido que me entregasse. Falava em voz baixa como se fosse um cochicho e Júnior notou e perguntou:
- Amor mas o que significa isto? Que urso é este? Cornélia me desculpe, mas porque você trouxe este urso e porque estão falando em voz baixa? Tudo isto tem haver com Juliano?
Elisa arregalou os olhos, porque Juliano ela conhecia muito bem. E aquela situação para ela foi inesperada como foi para mim também. 
Tentei falar mas era inútil... Júnior sabia que tudo que estava acontecendo entre nos dois tinha em meio Juliano. Ele se irritou muito, mas com Elisa ali, ele preferiu parar de perguntar quando falei:
- Júnior Depois nos falamos... Agora não! Deixa Elisa aplicar a injeção primeiro.
- Tudo bem, me desculpe Elisa, nem te cumprimentei.... Como vai?
Fala Júnior um pouco sem graça.
- Comigo tudo bem, e agora me deixe examinar você para ver se melhorou um pouco. 
Cornélia saiu do quarto com aquele urso, mas eu fiquei muito nervosa só de pensar na atitude de Juliano. Ele sempre faz este tipo de provocação e eu não gosto deste seu comportamento que  passa por cima de qualquer situação para afastar Júnior de mim... Fui por um segundo lá fora para falar com Cornélia, enquanto Elisa examinava Júnior. O olhei e disse:
- Eu volto logo!
- Eu não sabia de nada bonequinha! Trouxe o urso pensando que fosse seu, que você tivesse comprado lá na Chapada e Juliano apenas tivesse transportado. Imaginei o carro de vocês sem condições de trazê-lo. Juliano não me falou nada, me fez passar vergonha. Misericórdia que vergonha estou sentindo... Que vergonha!
Falou Cornélia completamente envergonhada por pensar de agir incorretamente...
- Cornélia esteja tranquila, não é culpa sua. A culpa é toda minha... Estou fazendo tudo errado.
Falei como se tivesse implorando ajuda.
- Que saudade eu estava de você bonequinha... Como foi o passeio? 
- O nosso passeio foi um desastre, mas eu ajudei a piorar a situação.
Falei tentando fazer com que ela entendesse.
- Como assim um desastre?
- Depois eu te conto tudo. Agora tenho que retornar ao quarto. Júnior está com a garganta muito inflamada e Elisa está medicando desde ontem. Eu vou entrar tudo bem?
- Vai , vai! Eu vou organizar as coisas aqui enquanto isto... Olivia, Elisa esta aqui! Eu preciso... Eu quero tanto falar com ela sobre Rubens.
- Pode deixar que vamos dar um jeito nisto. Isto eu te garanto.
Sai deixando em seu rosto um belo sorriso.


Desejava mais que tudo estar abraçada com o meu ursinho por todo o tempo. Mas não poderia... Deveria escondê-lo. Pensei em deixá-lo com minha irmã, mas aquele ursinho se estivesse ao meu lado, me faria sentir mais ainda a presença de Juliano porque por todo o seu pelo tem seu cheiro... Eu queria dormir sentindo aquele cheiro, eu queria o tempo todo me sentir perto dele, porque estava realmente apaixonada. Era tão bom  o perfume...
Se Júnior soubesse o que fiz, como reagiria? Com toda a sua calma, será que ele realmente iria lutar para que este relacionamento não terminasse? Como reagiria sabendo de uma traição? 
Nunca pensei em vê-lo chorando. Emoções como esta são raras, não podemos ignorar. Eu aqui não faço outra coisa que exalar veneno... Me sinto um ser pequeno.
Eu sei que enquanto um esta chorando por se sentir inseguro, sentir dor... O outro que te trai, poderá esta sorrindo e ignorando a dor existente que fomos nós que causamos... Mas eu não conseguiria. Evitaria até mesmo uma nova aproximação com Juliano, iria embora sem dar um adeus, somente por não querer ferir Júnior outra vez. Usaria todo o meu tempo para procurar esclarecer meu erro de uma maneira não tanto transparente para não ferir. Quero terminar meu relacionamento com muita calma... Seria um pedido de perdão como se tentasse resgatar o respeito por alguém que tem valor. 
Não diria que poderíamos ser amigos porque esta escolha não seria eu a fazer e sim quem sofre consequências. A única coisa que sei neste momento é que não quero sentir a presença de Juliano, em um ambiente que exista Júnior como havia feito antes. Não sairia de perto dele de maneira alguma. Juliano poderia não entender e se afastar realmente de vez e isto confesso que me faria muito mal porque estou apaixonada por ele e o desejo tanto ao meu lado um dia. Ele precisaria compreender este meu comportamento... Não seria eterno! Seria momentaneamente e se Juliano não entende isto, não me merece. 
Júnior para mim é uma pessoa de grande valor. Eu o desrespeitei mas eu não sei tratar como um inseto um ser que me deu somente amor.
Esta é a minha decisão, não vou falar nada do que aconteceu. Será meu segredo e não terei que dividir com Júnior para magoá-lo mais ainda."
- Elisa o que você achou? Ele está melhorando?
- Sim! O que a vida está exigindo dele, está fazendo com que ele melhore a olho visto. A vontade de sair desta cama é grande demais, não é Júnior?
- Sim, é verdade. Hoje me sinto bem e quero mesmo sair daqui, apesar de ter gostado de ver Olívia o tempo todo ao meu lado, que nem um cãozinho de guarda. 
Se a vida esta me mostrando algo que não aceito, terei que compreender para poder aceitar.... Em parte a culpa deve ser minha também.
Falou me olhando profundamente. Foram palavras de uma pessoa muito inteligente e reflexiva. Mostrou para mim que sabe perder mas precisava de respostas. Eu me senti encurralada, pareciam que os dois estavam me encostando contra um muro... Eu ignorei mudando o assunto:
- Quantas injeções ele terá que tomar?
Perguntei.
- Geralmente são 7dias consecutivos, mas visto que está para viajar, faremos apenas 4dias e depois dará continuação com comprimidos.
- Que bom que melhorou e melhor ainda foi ver que você não gritou desta vez. Parecia mais corajoso.
Falei sorrindo.
- E' verdade, ele não gritou. Muitas pessoas agem deste modo, sempre com a primeira experiência de algo que tem medo. Depois que vê que não é assim tão assustador, o enfrenta com coragem.


- Você está certa Elisa. Eu sou assim mesmo, tenho medo do inesperado e vivo desejando proteção das pessoas que eu confio. Agora quando não é a minha avó que me protege, tento buscar em Olívia o carinho que desejo. Nem sei explicar isto bem... Só sei que é assim um pouco animalesco. Olívia pode achar que não, mas eu preciso dela perto de mim, porque ela é uma pessoa forte e decidida. 
Injeções sempre me assustaram e para dizer a verdade eu nunca havia tomado.
Falou um pouco sem graça, por ter agido como uma criança.
- Deveria só fechar os olhos e pensar em algo que você gosta muito, porque é tão passageiro!
Falei ensinando a não sentir medo.
- Não pensei nisto.... Deveria ter pensado em você amor!
Falou com carinho quando Elisa responde:
- Que modo carinhoso de demonstrar amor. Eu vejo em você dois uma belo casal... São duas pessoas serenas e isto ajuda muito para tudo dar certo. E Olívia gosta muito de você Júnior. Podemos ver pelo cuidado que te dedicou.
- Teríamos de sair urgentemente daqui para que nós dois pudéssemos dar certo.
Falou sério e rude. Ele sabia que muita coisa havia mudado e parecia que tentava resgatar algo que para ele ainda era forte demais, sabendo que Juliano estava tentando atrapalhar, mas não sabia que eu já havia atrapalhado tudo.  
Todo o seu comportamento tinha agora uma explicação... Todo o seu silêncio foi para ele um sinal de defesa, mas parece que agora ele não quer mais perder. 
- Bem agora devo ir. Amanhã venho neste mesmo horário, tudo bem?
Se despediu de Júnior e depois a acompanhei quando perguntei se poderia falar com ela por alguns instantes. Disse que era muito importante.
- Fale! O que houve?
Perguntou surpresa...
Neste momento a puxei para perto do corredor onde não havia ninguém por perto. Lucas e Letícia estavam fora de casa que conversava com Cornélia.
- Elisa é muito sério o que quero te dizer e perguntar. E' sobre a morte de Rubens. Por favor Elisa! 
A família de Rubens é muito infeliz por tudo que aconteceu... Eles sofrem desejando a verdade. Perderam uma pessoa que amavam e imploram a você a verdade.
Elisa arregalou os olhos e demonstrava tanto nervoso que senti seu corpo tremer ao tocá-la.
Me olhou e falou:
- Não me peça isto! Eu não sei de nada. Olívia não se meta nesta história é muito perigoso.
-Porque você tem tanto medo de falar? Uma pessoa que te amava morreu Elisa! Todos sabem o quanto Rubens te amava e você faz silêncio? Isto é absurdo, porque se você sabe deveria falar. Por isto existe a justiça... Ela serve para impedir pessoas a continuar com atos sujos e se você se cala, você se torna cúmplice.


- Quando eu vi você e seu Filipe juntos, pensei que tudo aquilo que você vivia ao lado dele, era por amor... Imaginei vocês cúmplices no dia a dia com grande amor e agora não estou tão errada... Tem cumplicidade sim mas amor não! Este seu modo de agir protegendo e escondendo algo é cumplicidade, mas muito grave Elisa, daria prisão para você se viesse a ser descoberto e não existisse a sua ajuda.
Sonhos destruídos... Vidas destruídas. Quem poderia sonhar com dias felizes vivendo deste modo? Um modo assim tão sofredor. Antônio sofre e seu silêncio o destrói por não conseguir transmitir aos seus, serenidade e alegria.
Falei seriamente e com um tom de voz muito seca tentando assustá-la. Elisa estava precisando disto. Precisava de alguém que a acordasse e ao mesmo tempo prometesse em ajudar.
Aprendi isto com minha avó. Quantas vezes a vi reprimindo a minha mãe na minha frente. Adorava ver o olhar dela... Parecia um coronel e suas armas eram as palavras.
Eu queria deter esta mulher, deveria ouvir as confissões que ninguém nunca conseguiu ouvir e não a deixaria em paz enquanto isto não acontecesse... Nem que tivesse que amarrá-la em uma cadeira, ela não sairia dali sem falar toda a verdade que sabe.. Para mim Cornélia agora é uma das pessoas mais importantes da minha vida e eu queria ajudá-la mais que tudo!
Elisa estava silenciosamente assustada. Tentei tranquilizá-la dando afeto, mas ao mesmo tempo mostrava minhas garras...
- Elisa quanta coisa feia eu ouvi de você depois de semanas que estou aqui... Cheguei a ouvir que você é uma mundana. Eu não consigo acreditar nisto... Quando eu te olho, não consigo ter ver como uma pessoa sem escrúpulos. Sempre me pergunto: Como pode uma pessoa que cuida tanto de outras pessoas ser maldosa? E se Rubens te amou também não poderia ver isto em você. Digo isto porque as pessoas daquela família são pessoas extremamente dignas e bondosas. 
Neste momento Elisa explodiu em um choro incontrolável. Eu não queria que ninguém se aproximasse, assim a puxei para dentro do banheiro porque seria um lugar discreto. 
Tranquei as portas sem que ela pudesse perceber. O banheiro havia duas portas e além de uma delas que era em frente ao corredor, havia outra que ia de encontro à varanda. Não queria que ela escapasse então as tranquei.
- Fale, Elisa, por favor fale nem que seja somente para mim! Eu quero poder te ajudar, confie em mim.
Eu sei que você se envolveu com Juliano bem antes de conhecer Rubens... Por que? Por que Elisa?
Cornélia me contou tanta coisa. Contou, porque os homens envolvidos foram da família dela. E agora, ela sente muita vontade de poder conversar com você, mas Antônio irmão de Rubens, sempre a proibiu. 
Falava e ela estava ainda chorando muito. Passados alguns instantes, ela debruçou seu rosto na janela e começou a me escutar com calma parando de chorar. Percebi que ela estava a pensar porque a via um pouco mais tranquila.
De repente, ela falou:
- Me promete uma coisa, Olivia? Me promete que irá me ajudar... Eu preciso muito de ajuda mas nunca pude confiar em ninguém.
Dentro de mim existe uma verdade escondida e é muito difícil poder dizer o quanto estou envolvida.
Me ajuda, por favor... Te contarei tudo! Tudo se você me prometer em ajudar... Tenho provas escondidas em um lugar que só eu e Rubens poderíamos conhecer.
- Não só te ajudarei, mas toda esta família estará do seu lado... Acredite em mim! São corações sofridos, mas também são sempre muito unidos.

Autora: Aymée Campos Lucas
Parte 1 do capitulo 25
Aventura de Louco... Todo Mundo quer um Pouco.
Parte 1 Capitulo 25

Todos os direitos reservados 


Elenco musical deste capitulo: 
Neil Young - Heart Of Gold
Johnny Cash - Heart Of Gold
 Lorenzo Jovanotti - Baciami Ancora
Roxette - Vulnerable.mp3 
Wolfgang Amadeus Mozart - Eine Kleine Nachtmusik - I Allegro.mp3
Joan Osborne - One Of Us
Elton Jonh - Skyline Pigeon
Inxs - Never Tear Us Apart
Ozzy Osbourne - Dreamer
Retirei as musicas do blog, o programa estava causando problemas.


Para quem desejar ler o inicio do meu livro, este é o Link:


Desde o início que escrevia "Aventura de Louco ... Todo Mundo quer um Pouco!" falei que queria escrever em torno de 29 a 30 capítulos e pelo visto o que planejei está se realizando. Queria também criar um romance, mas com um pouco de mistério... Quem matou Rubens? (risos)
Para mim se tornou um desafio no início, mas agora é alegria. Muita alegria.
Dedico esta página à todos que acreditam na justiça. Nesta estória teve um crime e nesta Aventura Louca, tem pessoas que ainda acreditam que se alguém erra ou comete um crime não deve estar livre. Tem que pagar.
E se a justiça não faz nada para que isto se realize, chame Olívia que ela resolve, (risos)
Este capítulo continua daqui a alguns dias...



8 comentários:

  1. AYMEE,

    VIM AGRADECER SUAS LINDAS PALAVRAS,E SEU CARINHO COMIGO LA NO MEU CANTO.
    FIQUEI FELIZ POR TE VER POR LA

    COMECEI LER SEU TEXTO.E VOLTO AMANHA COM MAIS CALMA PARA COMENTAR O QUE SENTI POR AQUI TA?
    HOJE FOI UM DIA CANSATIVO DEMAIS ...QUERO LER COM TEMPO E ATENÇÃO
    BEIJOS

    OBRIGADA

    OTILIA LINS

    ResponderExcluir
  2. Querida,

    Cada dia é mais interessante passar por aqui, estás a te superar a cada post.
    Sempre passo por aqui, mas por algum motivo inexplicável não é sempre que consigo deixar meu abraço.

    Beijinhosssss

    ResponderExcluir
  3. Aymée, você e a Olívia estraçalharam mesmo o Júnior, hein?
    O cara virou até netinho da vovó!
    Mas, realmente, apesar da infantilidade e dependência dele, Olívia está tendo um procedimento bem autêntico, como se vê na vida real.
    Agora, essa história de apertar a Elisa para querer fazer justiça, esclarecendo uma coisa que acontenceu e foi abafada, eu achei meio difícil. Até porque a tal cumplicidade parece que houve mesmo, e se pegar alguma coisa, vai ser para os dois! Delação premiada é quando se trata de peixes grandes, como chefes de quadrilha!
    Mas, isso só mostra que a tua história é muito interessante, e tens várias alternativas para desenvolver!
    Estarei aguardando!
    Abraços, Ragazza!

    ResponderExcluir
  4. Leonel,
    Porque você achou meio difícil? E'a vida como ela é!
    Este tema que resolvi mostrar no livro acontece demais... Não vou me aprofundar tanto no tema porque senão daria um outro livro, mas vai ser sim bem esclarecido.

    Quanto a você falar no comentário de Delação premiada, diria que este argumento eu não conhecia, nunca tinha ouvido falar.
    Leonel te agradeço por ser meu amigo, porque você me ajuda sempre em meu livro. Você acabou me dando uma enorme luz porque de mim isto surgiu intuitivamente e você me mostrou o caminho onde devo pesquisar. E curiosa como sou já pesquisei, rsrs

    Elisa silenciou por sentir medo, mas a sua culpa foi só uma: Queria distanciar daquele homem e assim procurou amar outra pessoa não sabendo que ele seria tao violento. Violento ao ponto dela não ter coragem de falar o que sabe para ainda poder viver. Então lendo o significado do termo em que você apontou, posso dizer que ela terá o Perdão Judicial, rsrsrs

    Não sei porque ela acreditou tanto que Olivia seria a sua salvação, rsrsrs
    Acho que é porque Olivia quando fala com ela demonstra muita segurança e um pouco antes de sair do quarto Junior fala que precisa de Olivia em sua porque ela é uma pessoa forte e decidida. E Elisa escutou isto.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Otilia,
    Queria te dizer que não é necessário me agradecer por ter ido ao seu blog... Não é necessário porque quando vou até la eu vou com um enorme prazer de ir, pois cada palavra escrita por você me emociona muito.

    Seu blog para mim tem um enorme conteúdo. Voce mostra a simplicidade, a sinceridade e o amor que te faz mover neste mundo difícil. Este amor que você prega te faz ser uma pessoa forte e corajosa e isto é tao bom ver em alguém.
    Beijos de coraçao

    ResponderExcluir
  6. Otilia,
    Esqueci de dizer que não é necessário agradecer, mas a sua presença aqui, para mim é um enorme prazer... Então por favor não desapareça.
    Se você ler este livro acho até que vai gostar ao ponto de se envolver na estoria.
    Beijos carinhosos

    ResponderExcluir
  7. Sandra,
    Que elogio maravilhoso... E tao bom ouvir de você tudo isto. Sinto uma enorme admiração!

    Eu adoro bater record de mim mesma, kkkkkk
    Tem vez que vou olhar uma postagem antiga e penso: Eu fiz isto? Penso porque gosto do que fiz, mas tem também o outro lado. Aquele em que ao postar cria tanta baboseira, misturada de cores que penso: Eu fiz isto? Eca?
    Então torno a mudar todo o design usando mais simplicidade para realça o conteúdo, rsrs
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi...fiquei feliz com sua visita...volte sempre...

    vejo que seu está se tornando uma bela escritora...pq está tb muito bonita...

    fiquei presa na sua estória...interessante demais...

    deixo meu carinho....

    Zil

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar... A sua opinião, para mim, é muito gratificante.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...