Os InVerSos dEnTROoo De MiM!

Seja Bem Vindo em Meu Blog!
Desejo Muito que Possa Apreciá-lo. São Textos e Poemas Escritos Por Mim.
Eu Gosto Muito de Escrever... Na Verdade, Eu Amo Escrever.



terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Aventura de Louco...Todo Mundo Quer um Pouco!... I - Introdução


Onde Nasce uma Paixão!

O meu namoro acabou! O meu namoro de quatro anos não existia mais. Eu sofri tanto, não sabia mais o que fazer!


Me chamo Olívia, tenho vinte e dois anos e a quatro anos atrás pensei de ter encontrado o amor de minha vida, aquele que não me abandonaria jamais, aquele que os sonhos a cada dia cresciam. Eu era em meio disto tudo uma apaixonada, onde depois de muito conviver, modifiquei o meu modo de ser para agradar aquele homem que dizendo de me amar, preferiu me largar.
Com toda a dor, única pessoa que pode me acalentar foi minha mãe e irmã, pois os amigos não existiam mais! Eu havia afastado de todos para não causar ciúmes a ele. Ele era ciumento, sim e esta foi a ruína de meu namoro.
Eu sempre fui por toda a minha juventude uma pessoa muito alegre, viva, receptiva a tudo e todos. Gostava de estar com amigos, ir para as festas que sempre organizávamos e gostava imensamente de dançar... A dança, para mim, era um modo de me comunicar com os meus melhores amigos. O meu corpo dizia o quanto eu era feliz! E atualmente, eu não consigo dançar como antes e isto me entristece porque dançar era tudo para mim, a música era como um alimento!

Quando o conheci não pretendia haver um namorado... Eu estava de férias em um litoral e, juntamente com amigos, o conheci. Ali era tudo diversão, mas sentia que ele não estava só se divertindo. Ele desejava me conhecer melhor, conhecer meus pais, minha cidade e eu me empolguei com tudo isto que era uma grande novidade para mim, aceitando o envolvimento. Conheci toda a sua família e, depois deste dia, o namoro iniciou ao ponto de durar quatro anos de minha vida. 
Ele me colocava nas nuvens com seus carinhos e quando saíamos, ele usava seus braços como um escudo, como se quisesse me proteger do mundo. Não percebia que aquilo era uma jaula. Ele não me protegia... Ele me impedia de comunicar com o mundo. 
Quando estávamos com os nossos amigos e eu falava sobre algum assunto interessante e divertido que causava risos da parte dos outros; por existir em mim um modo diferente de ser e de ver as coisas da vida; ele mudava a expressão de seu rosto... Ele se transformava e se não parasse de falar, tudo piorava ao ponto de brigarmos quando voltássemos para casa. Este ciúme só existia da parte dele, porque eu o deixava ser como o conheci... Sempre brincalhão e divertido com todos! Eu tive de me silenciar, mas ele permaneceu a mesma pessoa, ele não perdeu a liberdade que eu perdi. Eu não tinha ciúmes, porque sabia que ele cuidava de mim... Seus olhares eram sempre para mim, sua vida era em volta de mim, então, para que sentir ciúmes dele? Não era necessário.


Na minha cidade, a minha estrada se restringiu em ir à escola - casa, casa - escola, e se por algum motivo devesse sair, teria de ser somente com minha mãe ou irmã, nada de amigos, nada de bate papo no telefone, nada, nada! 
Minha mãe era uma pessoa muito caseira, então, eu não tinha muita escolha, eu ficava em casa. Neste período, aprendi a fazer trabalhos manuais como bordar, tricotar  e até cozinhar! Quando não estava com ele, usava meu tempo livre também para ver filmes na televisão. Vivendo assim, eu achava que era feliz! 
Como as coisas podem mudar tanto! Como pude ser tão submissa! E com o tempo, eu me modifiquei a tal ponto que, eu passei a sentir o mesmo ciúmes que ele sentia... Mas havia um motivo. Eu comecei a percebe-lo um pouco distante... Aquele namorado que vinha todos os fins de semanas e não via a hora de chegar, estava arranjando desculpas para não vir ao meu encontro. Eu, ali m minha casa, que não podia me mover e ele, não sei fazendo o que longe de mim. 
O meu ciúmes ultrapassou barreiras, eu comecei perder o controle do meu ser! Quando iniciava a brigar por ciúmes, eu entrava em crise de nervos, me alterava como uma louca! Nada mais era normal... E ele  não suportou ver em mim o mesmo ciúme que ele havia, pois era desse modo o seu comportamento e quando eu deixei de agir como ele desejava,  terminou o namoro.
Para mim não foi nada bom! Sofria demais e minha mãe começou a se preocupar com o meu jeito perdido e silencioso. Ela não sabia como agir comigo, não sabia mais o que fazer, quando nesse mesmo período, minha irmã estava planejando uma viagem para o centro do Brasil... Ela queria ir ao Mato Grosso e nos vivíamos em Minas Gerais.
Minha irmã é quatro anos mais nova que eu e... Se eu era uma pessoa cheia de vida, minha irmã era dez vezes mais que eu. Quanta energia, quanta luz e alegria existente nesta pessoa linda que conseguiu curar tanto a minha dor! Ela conseguiu fazer reviver em mim, um pouco de curiosidade e alegria... Minha irmã Letícia me fez renascer!


Letícia tinha um namorado que ao mesmo tempo era o nosso vizinho e seu pai era um Gerente de Banco, daqueles que se locomovia de um Estado a outro. Depois de viver por anos em nossa cidade, seu pai teve de se transferir para Mato Grosso, onde assumiria o cargo de gerente do Banco do Brasil da cidade de Cárceres, Mato Grosso. 
Tão longe de nossa cidade... Uma situação assim deveria também abalar a minha irmã, por ter este namorado desde quando ele chegou na nossa cidade. Eram dois anos de namoro, mas nem assim ela mudou... Tudo era normal para ela,  e mesmo com a distância, ela iria procurar algum modo de tudo se resolver para se sentir mais feliz do que já estava se sentindo. 
Minha irmã é uma pessoa muito forte, decisiva e realista. Ela encontrava soluções para tudo e não deixava o namorado a dominar, ela o contradizia e nem assim o perdia, ao contrário de mim que tinha medo de contradizer e perdi!
Neste seu período de namoro, me fez relembrar um dia em que minha irmã chegou em casa com o namorado e antes de entrar, ficou a conversar dentro do carro dele quando iniciou a brigar, mas... Isto era normal! Seu namorado Lucas, de repente liga o carro porque ela queria entrar e ele não queria que ela entrasse em casa. Então ele ligou o carro e ela começou a gritar:
- Pare o carro que quero descer. Se você não parar, eu pulo! 
Ele não acreditou e continuou a acelerar o carro quando eu estando lá na calçada de minha casa, vi minha irmã saltando do carro! Não se machucou, por sorte não!
Letícia é assim, se ela diz que vai fazer algo ela faz! Não sei porque ela não tem medo de nada, não tem medo de enfrentar a vida. 
Eu sempre fui muito diferente dela em tudo. Eu era delicada demais e sentia muito medo de enfrentar de frente a vida!
Minha mãe deixou que ela fizesse esta viagem para tão longe e seria eu a acompanhá-la...
Nasceu em mim uma nova vida, ela me mostrou um novo caminho, uma pequena alegria surgia, pois sempre gostei muito de viajar e aquela viagem poderia me trazer novos ares... Era um novo amanhecer para mim que depois de meses em silêncio, comecei a sorrir mas ao mesmo tempo ainda me preocupava, caso o meu ex namorado viesse a saber. Pedro poderia sentir raiva de mim. Que tola... Eu ainda tinha medo de perdê-lo mais do que já havia perdido.
E assim a viagem se concretizou e lá vamos nós duas rumo ao Mato Grosso! Mato Grosso era um Estado distante, que para chegar levaria dois dias.Tudo seria muito divertido e aventuroso! Eu não via a hora deste momento chegar... De poder entrar naquele ônibus que nos levaria para aquela região, onde todos diziam de ser tudo muito diferente de Minas... Onde as estradas seriam retas, somente retas com ricas plantações de soja e no meio das plantações poderíamos ver tantas Emas a passear nas plantações e o horizonte se encontrava com o céu... Diziam que era tudo horizonte, tudo lindo demais e diferente!


 A Partida... 
A viagem tão desejada faria parte da minha vida!

Minha mãe se chama Helena. Que mulher bondosa! Ela nos amava demais e era capaz de fazer tudo que pudesse para nos dar um pouco de felicidade. E ao me ver triste, ela só queria que eu pudesse reviver novamente, queria me ver contente de novo... Em momento algum, ela não se preocupou em brigar com a pessoa que me deixou naquele estado. Ela sabia o que a vida nos poderia oferecer, ela sabia que em nossas vidas existiriam dramas, derrotas, mas sabia também que poderia estar do nosso lado quando algo de ruim viesse ao nosso encontro. Procurava nos proteger, e desta vez, ela sabia que um pouco de energia e luz em minha vida me daria paz! Era como se eu fosse em busca de um auto conhecimento, porque tudo estava apagado em mim.
Eu e Letícia começamos a preparar as bagagens mas esquecemos do principal, comprar as passagens através de uma agência de viagem. Éramos leigas no assunto e o que pensamos foi que nós duas deveríamos ir na rodoviária da Capital de nosso Estado, Minas Gerais. Pensamos que chegando lá encontraríamos fácil as passagens e ao contrário não foi assim...
Saindo de nossa cidade foi tudo muito tranquilo, as bagagens estavam prontas. Não víamos a hora da partida que seria à noite e chegaríamos pela manhã à Belo Horizonte.
Nossa mãe Helena comprou algumas roupas novas para nos alegrar, nos deu um pouco de dinheiro além daquele da passagem e embarcamos. Seria uma viagem longa até a Capital de Minas Gerais, Belo Horizonte, e lá não haveria ninguém a nos esperar. Quando chegássemos em Belo Horizonte, nem sairíamos da rodoviária. Dali mesmo, procuraríamos uma empresa de ônibus que nos transportasse à Cuiabá.
Pensávamos que seria tudo muito simples, mas ao desembarcar pela manhã e procurar a empresa melhor, descobrimos que deveríamos ter prenotado a viagem. Os ônibus naquele dia já estavam lotados, e assim fomos em busca de uma outra empresa que também iria para o mesmo lugar. Aquele vendedor nos disse que tivemos muita sorte em  conseguirmos encontrar passagens, mas as cadeiras não poderiam ser lado a lado, pois não tinha posto livre com duas poltronas juntas, havia acabado, e se demorássemos mais um pouco não teríamos nem conseguido embarcar, pois o ônibus já estava quase partindo.O vendedor das passagens nos orientou, dizendo que poderíamos conversar com o passageiro e pedir para trocar de lugar com a gente, visto que uma delas seria na frente a pessoa indicada não exitaria em aceitar. E assim fizemos ao entrar.
Antes compramos um pouco de merendas, e entramos. Quanta decepção! Era um ônibus de fazer vergonha. Não conseguíamos imaginar como que uma empresa pudesse oferecer aos seus passageiros, um ônibus como aquele para fazer uma viagem de dois dias...Era Medonho! Era sujo e tinha pouco espaço.
Eu por muito tempo da viagem, não conseguia aceitar de ter errado tanto assim... De não ter me preparado, procurando entender melhor como deveríamos agir. Minha mãe nesta hora não pode nos ajudar porque ela era uma pessoa que não fazia viagens longas, então também era leiga no assunto. 


E assim entramos... Nossas cadeiras como disse, eram distantes uma da outra... Uma sentaria um pouco mais na frente, enquanto a outra sentaria na ultima fila do ônibus, perto do banheiro, que antes de partir já fedia. Que sofrimento para nós duas, porque ao entrarmos, demos o privilégio a um passageiro de sentar na cadeira da frente para que nós duas pudéssemos estar juntas e ele aceitou. 
A cada pessoa que entrava no banheiro parecia que iríamos morrer sufocada. Eu nem conseguia merendar, comecei a sentir nojo do alimento mas minha irmã não perdia o apetite. Nada a afligia... A viagem era longa e minha irmã era muito comunicativa, então chegamos a criar amizade dentro do ônibus, a rir, a nos divertir, para esquecer todo o drama daquela viagem maluca que mais parecia improvisada. 
Tínhamos de atravessar uma grande parte de Minas em direção a Uberaba, Uberlândia, estávamos indo em direção ao Triângulo Mineiro, e tudo era muito lindo... Mas quando chegava os momentos em que o ônibus deveria parar, ele nunca parava junto aos outros ônibus lindos que estavam indo para o mesmo lugar. O motorista desta empresa faziam paradas diferentes que mais parecia um bordel em vez de autogrill.
Eu ali dentro já estava imaginando que o Mato Grosso poderia ser horrível, pois o ônibus nos mostrava cada lugar estranho... Em vez de curtir bem a viagem eu estava iniciando a sentir saudades do meu ex e só conseguia pensar nele. Queria aqueles seus braços neste momento para me proteger. Eu queria que ele me engaiolasse de novo para não ver o que estava vendo! Era tudo muito assustador, para duas jovens em grandes aventuras. Poderíamos chamar na verdade de uma aventura de louco, pois não sabíamos para onde iríamos certamente, sabíamos que chegaríamos para viver uma Aventura de Louco, daquelas que Todo Mundo Quer um Pouco!

Autora: Aymée Campos Lucas
Aventura de Louco... Todo Mundo quer um Pouco.
Capitulo 1 - Introdução 
Todos os direitos reservados 


Elenco musical deste capítulo:
Sistem Of a Down - Roulette
Sistem Of a Down - Lonely Day
The Parlotones - Push Me To The Floor
The Parlotones - Come Back As Heroes
Moby - Extreme Ways
Foi preciso retirar as músicas do meu blog, pois, o programa 4 shared estava causando problemas.

Esta aventura terá continuidade depois de alguns dias... Quando as duas irmãs chegarem ao lugar destinado... elas, depois de conhecer parte de Cuiabá, irão passar dias calorosos e alegres em uma fazenda, cujo o proprietário é o Pai do namorado de Letícia... ali sim será a maior aventura, pois, as duas estarão dentro de uma fazenda onde o Pantanal é próximo! Tudo muito diferente!

Daqui, você poderá seguir todos os outros capítulos desta estória.
Clique em cada um desses números abaixo para continuar seguindo este livro: 
"Aventura de Louco... Todo Mundo quer um Pouco."



19 comentários:

  1. Jésusssss... Minha querida Aymée...
    Fais mó tempão que to lendo .. rsss

    Só tu fais issu cum EU, das histórias que li a que diz do rapaz ser gerente de banco... deusssZolivre.. esse não é confiável merrrmo... hehehe

    Tava Eu cum xodades de tu...
    Abraços
    Tatto

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Voce ta com dificuldade pra terminar enquanto eu escrevi esta estoria por volta das 15:00hs depois me cansei, fui ver um filme e quando me reaninei, terminei tudo, mas so postei a metade, a outra metade tenho de melhorar e corrigir erros, mas acho que daqui a 4 dias ou talvez antes eu adciono o final...
    Ahhhh Xipan, na minha estoria vai ter macaco, quando as irmas estiverem na fazenda. Tem muita coisa ainda para acontecer, rsrsrs
    Espero que voce nao tenha se cansado, mas se cansou toma agua de coco que passa, kkkkkk

    ResponderExcluir
  3. Êbaaaaa... vou virar artista de conto da Aymée.. rss
    Las hermanas e Xipan Zeca Kid..
    Vou tomar sim uma aguinha de coco com destilado de baixo custo pra módi aguardar o desfecho do conto..
    Bejo de artista
    Tatto

    ResponderExcluir
  4. ola Aymée...
    muito bom até onde pude ler, mas é muita coisa .. rsrsr
    confesso que fiquei curiosa mas o tempo ta corrido... rsrs
    volto pra ler o restante antes de vc postar o seu restante rsrsr..

    beijo e obg por suas palavras la no meu viver..
    eu volto..

    ResponderExcluir
  5. Aymée,
    Sofremos do mesmo problema ou não, gostamos muito das palavras e aí escrevemos, escrevemos e escrevemos mas no seu caso dá para entender, afinal, é uma historia, um conto, justifica-se. No meu caso é que não aprendi a ser suscinta, a ser econômica com o uso das letras. De qualquer forma, retornarei para terminar a leitura, viu?
    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Estou ouvindo o Heavy Metal com Piano. É lindo, você tem bom gosto. Você quer mesmo que faça um poema para você? Depois eu voltarei para ler você. Agora não dá tempo (Risos!...), mas voltarei você merece e eu quero ler tudo o que você escreve.
    Um Grande Abraço!

    ResponderExcluir
  7. Claro que eu quero que escreva para mim!
    Quem nao quer ser musa de seus sonetos!

    Que bom que gostou da musica. Eu adoro este grupo... Nao tenho palavras para descrever o quanto eu gosto de suas musicas, melodias e letras que se contrastam e sao sentimento que quando eles expoem nos faz refletir...

    Aquela musica que adaptei no poema Sol, eles fizeram em homenagem ao baterista que morreu ano passado de overdose... Era um baterista amado pelo publico, e muitos jovens se entristeceram com a morte dele, porque ele era brincalhao, divertido e excepcional na bateria! Ele faz tanta falta ao membros do grupo que quase todo o ultimo Cd nightmare foi dedicado a ele.
    Este grupo é novo, estiveram em Sao Paulo no final do ano passado e para os jovens conseguirem comprar o ingresso que era muito caro, muitos compravam atraves da net pagando prestaçoes pois para conseguir um bom lugar os preços variavam ao ponto de custar 600,00 reais um...
    O ingresso era nominativo, com o nunero da identidade. Tudo muito organizado.

    Aqui custou apenas 28,00euros mas eu nao fui, porque nao tinha um que fosse fa como eu, para ir comigo... Meus filhos gostam de pagode, samba, musica do Brasil, nao gostam de Heavy metal, rsrsrs

    ResponderExcluir
  8. exelente!!continua com sua criatividade!um dia serar um best sellers.otimo!!vc tem uma mente fertil.

    ResponderExcluir
  9. Olá, Aymée! Obrigado pela visita no meu blog. Estou acompanhando esta história bem narrada das duas irmãs. Quando postar o novo capítulo me avise que eu volto para prosseguir, pois está muito boa. Abraços. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  10. Ola Caca, que surpresa boa!
    Pode deixar que eu te aviso sim... Qu bom que gostou!
    Mas afinal de contas eu acertei la a charada? rsrs
    Bjus

    ResponderExcluir
  11. Fico me imaginando escrevendo um romance. Pensei em escrever romances, mas não consigo montar uma estória. Mas admiro muito quem escreve.
    Quando vejo um seriado na televisão fico imaginando a criação do autor. O autor do livro cria seus enredos, depois chegam os roteiristas que inventam locais, falas, luzes e ação. Aí o escritor vê seu romance representado.
    A mesma coisa acontece com um poema. O poeta cria seus versos que já são musicais, por causa dos vocábulos; chega um músico e o transforma tudo em partituras. De repente uma orquestra executa aquela música que teve por base um poema. Aí o poema perde a letra, ninguém mais se lembrará da letra daquela música que foi orquestrada, transformada para outras linguagens. Assim aconteceu com a música mais executada no mundo “Feelings” de Morris Albert, (Maurício Alberto Kaisermann) um brasileiro que na época mudou seu nome de brasileiro para vender sua música. E ficou na história do Mundo Inteiro.
    Com muito prazer leio você!

    ResponderExcluir
  12. Querida Aymée,

    Você foi certeira no seu diagnóstico, a palavra para o meu atual estado de espírito é culpa, culpa por não ter feito mais, por não ter amado mais, abraçado mais, é por aí... Mas sei que não existe remédio para curar o que eu sinto, resignadamente deixo o tempo me curar.
    Obrigada pela dica das cores do blog, dei uma modificada e acho que ficou melhor, quando tiver um tempinho, passe por lá.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  13. Oi Aymée ^^
    Eu vim aqui a respeito da música na postagem.
    Então, uma vez uma colega de blog me pediu a mesma coisa, aí eu resolvi fazer um mini-tutorial ensinando.

    Você pode baixar aqui : http://www.4shared.com/file/YdqhQOpe/Colocando_msica_na_postagem.html

    Não ficou lá essas coisas.. mas eu espero que dê pra entender ^^

    Beijos.

    ResponderExcluir
  14. Um dia os zumbs entrarão em sua casa e comerão seu cérebro. hahahahha........

    Armas biológicas? Quem sabe...

    Fique a vontade para criticar meu seriado.

    Toda quarta feira terá episódio novo.

    Abraços e muito sucesso para você em 2011.

    http://cogumex.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  15. Aymée,

    Ler vc é um doce fascinio!...

    Beijos,
    AL

    ResponderExcluir
  16. Você escreve de uma forma peculiar. Uma forma que realmente representa a alma de uma romancista, com todos os detalhes necessários. Escrever é assim mesmo. Para uma estória precisamos de um começo, meio e fim.
    Penso que para escrever uma estória precisamos entrar, durante a escrita como se fôssemos o personagem e imaginar os locais adequados como se estivéssemos dentro de um sonho.
    Se eu for descrever, por exemplo, a vivência dos italianos, precisarei estudar tudo sobre os costumes, ambientes, etc.
    Acho que temos alguma coisa em comum, uma vez que sempre carrego comigo uma caneta e um papel qualquer. O último soneto foi escrito durante a espera de um ônibus urbano.
    Quando me convidaram para participar do Amigo Secreto, fiquei com a idéia na cabeça. E para escrever a você, sem conhecê-la, fui lá ao seu blog; estudá-la, lendo seu perfil e, contemplar cada foto publicada. Vi, por exemplo, que você uma pessoa extrovertida, alegre, com uma sensação de vida feliz.
    Precisei ir ao médico e com aquela idéia na cabeça. Escrevi-lhe aqueles sonetos, inclusive um em versos brancos. Aquele manuscrito que compõe a formatação do “post” foi feito nos corredores do Sistema Único de Saúde – (o SUS).
    Sempre quando tenho algum compromisso e que fica obrigatório aquele “chá de cadeira”, então invento qualquer coisa para escrever.
    Apesar de possuir uma série de diversos poemas, crônicas, etc. nunca imaginei escrever livros, pois acho que devemos envolver outras pessoas de mídia, sem contar com o lado financeiro, que é relevante neste caso.
    Escreva sempre. Escreva-me sempre. Assiduamente já sou seu leitor, embora não tenha deixado minhas marcas por aqui. Mas admiro sua forma de ser. De ouvir os vídeos indicados por você, etc.
    Receba um grande abraço,
    Sempre seu amigo.

    ResponderExcluir
  17. Linda amiga, cheguei para te ler....vamos lá...já que deixarei comentário sobre o teu conto...vou começar a ler, já!
    Beijos no ♥

    ResponderExcluir
  18. Querida, o começo de teu conto, me fez voltar ao meu passado, com o pai de meus filhos.
    Homem que me anulou, que me privou de todas as amizades, de todo convívio externo.
    Com ele, eu comi o tal do pão que o diabo amassou.
    Mas eu tinha tanto medo de perdê-lo, e também tanto medo dele, que fui aguentando a situação.
    Depois vieram os filhos, e por eles, eu pensava, não posso me separar dele.
    Até que um dia eu criei coragem e fiz as malas e parti levando junto comigo os meus 3 filhos.
    E há 6 anos eu sou livre dele, voltei a sorrir, a ter amigos, enfim, voltei a viver.

    Bem, voltando no conto, e senti dentro do ônibus, nem eu sentiria vontade de comer, sentada bem ao lado de um banheiro fedido...ecaaaaaa...rsrs
    Incrível, mesmo ela sabendo que o ex namorado não serve pra ela, nessa hora, perdida na viagem, ela preferia estar enjaulada de novo nos braços dele.
    Isso pra mim é dependência, não amor, né mesmo?

    Curiosa pela continuação, voltarei.
    Beijos enormes no teu ♥ e um bom final de semana.
    Adoro te ler.

    ResponderExcluir
  19. Falando um pouquinho do livro...

    Olhando novamente este capitulo, decidi modificar todo este percurso fazendo com que todas as paginas possam se tornar iguais...
    E reparando o que pude perceber que ao inicio havia leitores que se foram e chegaram leitores que se firmaram na minha escrita me dando tanto calor e carinho!
    Obrigada a todos que tem a paciência de ler o que escrevo.
    O que posso dizer é somente uma coisa... Ler este livro não é em vão!
    Um grande abraço a todos!

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar... A sua opinião, para mim, é muito gratificante.