Os InVerSos dEnTROoo De MiM!

Seja Bem Vindo em Meu Blog!
Desejo Muito que Possa Apreciá-lo. São Textos e Poemas Escritos Por Mim.
Eu Gosto Muito de Escrever... Na Verdade, Eu Amo Escrever.



domingo, 23 de outubro de 2011

Para Quem Sabe Ler, Dois Pingos é Letra!


ONDE A ESCURIDÃO ME LEVAR...

Não deveria ter saído de casa, naquela noite!
Eu sentia uma necessidade de ver e fazer algo diferente, então, decidi pegar a estrada, deixando que ela me levasse para onde ela desejasse.
Onde a estrada me levar... Que tolice pensar assim, pois jamais uma estrada te leva em algum lugar, somos nós que tomamos esta decisão, é o nosso cérebro que nos comanda, sou eu quem me guio e não uma estrada. A estrada só estará pronta, esperando um alguém que queira segui-la e... Se fizermos a escolha errada, pagamos pelo nosso erro, de alguma forma. Tudo se torna um escuro sem fim!
 
Quando decidi guiar pela noite afora, não imaginava que encontraria algo que fizesse mudar toda o meu dia e depois... Toda a minha vida!
Por muito tempo, ao guiar, o tráfego estava intenso me deixando muito nervoso, quando de repente, resolvi desviar o meu caminho... Eu vi uma estrada paralela, onde não haveria mais aquele tráfego infernal... Afinal, eu procurava paz!
Estava muito escuro! A estrada que escolhi, não tinha iluminação e nem sinais onde eu poderia procurar indicações... Havia muitas árvores, como se em torno existisse um bosque e um rio. Comecei a sentir medo, mas insisti em continuar, porque sou um homem muito insistente, e quando decido algo, nada me faz mudar de ideia.
A um certo momento, o asfalto acabou onde o que encontrei, foi uma estrada cheia de buracos que começou a me perturbar. Naquele instante, percebi que a minha escolha poderia ter sido errada.
 
Os faróis iluminavam a estrada e diante de mim, eu pude ver algo que me assustou! 
Não soube como agir, me deu panico! Ao passar alguns segundos, consegui pensar e parei o carro, me paralisei por alguns segundos e desta vez... Refleti rápido e fechei todos os vidros para poder me proteger.
Diante de meus olhos, eu vi a violência acontecer! Eu vi uma jovem sendo maltratada por um homem e senti medo dele se aproximar. Ao pensar em proteger aquela pessoa, eu comecei a buzinar procurando espantar aquele homem e se ele viesse até à mim, eu já estava pronto para acelerar o meu carro em cima dele. Poderia me causar um grande acidente, esta minha atitude, mas seria o único  modo de me proteger,
Por minha sorte, ele se espantou e se afastou, mas mesmo assim, senti medo de descer do carro e me aproximar daquela garota, que estava caída pelo chão, toda desprotegida e ferida.  
Ela gritava: "Me ajude! Alguém me ajude!" E então, neste exato momento, com toda a minha coragem, resolvi me aproximar. Não sai do carro, preferi levar o carro para perto dela e quando me aproximei, a vi toda ensanguentada. 
Aquele homem a esfaqueou e ela estava muito mal. Olhei em volta, usando a minha lanterna e percebi que não havia mais ninguém ali que não fossemos nós dois. Ouvi um barulho de uma moto que acelerava a todo o vapor, era ele que escapava. Seu rosto não conseguiria identificar, estava tudo muito escuro... Então, ao pegá-la para colocar em meu carro, eu tentei perguntar quem era a pessoa, se ela o conhecia, se sabia o seu nome. Ela respirando muito mal,  respondeu: "Se chama Leonardo."
Não quis perguntar mais nada, porque ela não estava em condições de falar, assim, virei o carro e com toda a velocidade, retornei para a cidade procurando um hospital. Mesmo assim, ela ainda continuava a falar e me repetia: "Ele se chama Leonardo! Ele se chama Leonardo!" Estava muito preocupado, porque ela se mostrava ansiosa e isto poderia prejudicar mais ainda, então, nem o seu nome eu perguntei, para evitar que ela continuasse a falar desnecessariamente.
 
Quando as linhas telefônicas estavam dando sinal, liguei para um número de emergência e contei que uma jovem estava muito mal e que eu estava levando-a para um hospital, para tentar salvá-la.
Pedi que me indicasse o hospital mais próximo e... Eles, depois que perguntaram o meu nome, me disseram qual seria o hospital. Eles sabiam em qual área que eu me encontrava, através de toda a minha indicação e assim, consegui o mais rápido possível, chegar ao hospital.
A emergência foi muito eficiente... Logo preparou a jovem para dar os cuidados necessários e eu fiquei aguardando  na sala de espera... Ao passar algum tempo, além do médico vir ao meu encontro para dizer que ela não conseguiu resistir às facadas, junto a ele, estavam também dois policiais com algemas e me algemaram,  dizendo:
"Sr Leonardo, o senhor tem direito de ficar calado, qualquer coisa que disser será usada contra o senhor!" Parecia um vento soprando forte e doloroso ao meu ouvido. 


Ela antes de morrer, repetia por todo o tempo o nome do assassino para o médico, e o meu nome também é Leonardo.
Como poderia explicar que não sou eu o assassino, como poderia provar a minha inocência, sendo que esta pobre jovem, nesta vida, não está mais presente... Ela se foi, e seria somente ela que poderia me ajudar! Ao contrário, ela destruiu a minha vida... Agora, eu me encontro dentro de uma prisão, procurando provar que sou um inocente, que guiava em uma estrada deserta, apenas por prazer de explorar regiões, no meio de uma noite sombria... Ninguém consegue acreditar em mim! Sou inocente, procurei ajudar uma pessoa e a minha vida se destruiu por isto.
Em meu corpo o que se via naquela noite, era apenas sangue em toda parte de minha pele, meu carro estava todo destruído de tanto sangue e  Leonardo, o assassino, provavelmente estará por ai, matando novamente.
"Deus, me ajude, por favor! Só o Senhor meu Deus poderia me ajudar!"
Já se passaram anos e estou aqui, dentro desta prisão horrenda, procurando provar a minha inocência... Como fui ingênuo... Como fui inocente! Por favor, acreditem em mim! Estou falando com a minha alma lavada. Eu só fiz o que achei que deveria fazer.

E assim, a defesa continua a falar, depois de ouvir calmamente a declaração espontânea de Leonardo:

Foi apenas uma escolha errada... Foi apenas um passeio de carro, em um lugar errado!
Como podem incriminar uma pessoa que procurou ajudar esta jovem, sem se preocupar nas consequências em que tudo isto poderia causar à ele um dia? E ele agora está pagando, mas pagando por quem? Ele prestou socorro, quer prova de inocência maior que esta?
Se não fosse por ele, talvez, nenhum outro encontraria o corpo de Fernanda. 
Este homem é inocente, meus senhores! Ele só quis ajudar! Ele ajudou e teve a má sorte de não conseguir salvá-la... A crueldade deste Leonardo, que não sabemos nada, foi de extrema frieza e se não fosse o nosso Leonardo aqui presente, talvez Fernanda morreria sofrendo muito mais e... se ele tivesse conseguido salvá-la como desejava, este momento que hoje estamos vivendo, não existiria. Fernanda diria o que todos procuram... A verdade.
Agora, ele está cumprindo uma pena no lugar de outra pessoa. Leonardo clama por anos a sua inocência e todos continuam a crucificá-lo. A família dele sofre porque conhece o filho que tem. Seus pais ou qualquer pessoa que o conhece desde a infância, classificaria Leonardo como um homem de princípios: caridoso, amoroso, leal, honesto, respeitador... Comportamentos como estes, são visíveis para todos da família e principalmente quem o conhece fora do âmbito familiar. 
Como pode um homem assim, ser condenado injustamente. Estão condenando este homem só porque ajudou, amparou, correu riscos e por um grande infortúnio, recebe o mesmo nome: Leonardo!
Dois homens, dois Leonardo que coincidentemente entrou na vida desta jovem. Um Leonardo maldoso, e outro Leonardo caridoso!
Por favor, senhores jurados, impeçam a todos de continuarem a julgar erroneamente... Que parem de atirar pedras a um inocente... Ele só queria ajudar!
E a defesa interrompe, aqui, este apelo!

 A Promotoria, neste momento, teve a "Palavra":

Continuarei a atirar pedras sim, meus Senhores! 
Senhor Juiz, continuarei a atirar pedras porque este homem não é a fato inocente! 
Este homem é o assassino de Fernanda sem sombras de dúvidas! Leonardo é o assassino e poderia classificá-lo como um homem de personalidade múltiplas, talvez um esquizofrênico...  Leonardo ruim, Leonardo bom e a jovem Fernanda, em meio a tudo isto.
Se pensarmos e analisarmos, poderíamos achar que isto não possa existir e que... O que estou dizendo, possa ser pura ilusão como se vê em filmes que, em  algum cinema de nosso grande Mundo, pôde nos mostrar... Mas creia, meus senhores, que a ilusão construídas em filmes, surgem de mentes lúcidas, surgem das mentes de um alguém que um dia pode vivenciar ou aprender sobre o que nos mostrou e... assim, temos como exemplo um filme representado por Jim Carrey... Sim, é verdade, foi pura ilusão o que este ator representou no filme Eu, Eu mesmo e Irene... Mas, mesmo sendo um filme, ele pode nos mostrar que estes monstros existem, eles são reais! São reais e estarão por aí, em alguma parte deste Mundo enorme, para nos fazer mal.
Ele... Ele mesmo e Fernanda! Poderíamos classificar este homem, assim. Ele, o homem ruim que se esconde por detrás do homem bom, caridoso, como disse nosso advogado de defesa. Aquele homem bom que faz com que todos os apreciem, ao ponto de não conseguir ver o lado mal, pois, ele consegue esconder aos mais íntimos, às pessoas mais caras, quando deseja.
Não, meus senhores, este homem não é inocente... o médico que atendeu Fernanda, pôde ver em seus olhos o pavor que ela transmitia à ele. Seu dedo indicador, no falar o nome Leonardo, apontava na direção do Leonardo que, ali, esperava... Repetindo sempre a mesma frase: Foi Leonardo, foi Leonardo. Mas isto não é a prova final... 
Este homem por muito tempo repete uma frase, como se fosse a frase certa e memorável!
"Onde a estrada me levou, Eu errei..."
Sim, ele errou em procurar seguir a estrada errada. Será que se arrependeu? Mas por que não se confessa? o que digo é que "Aqui se faz, aqui se paga!"
E a minha prova maior por tudo isto, é mostrar, hoje, diante do Senhor Juiz, a minha maior descoberta... Esta jovem possuiu um diário que nem mesmo os seus pais sabiam da existência dele... Fernanda o escondia de um modo, que só depois que seus pais resolverem fazer uma reforma em seu quarto, demolindo recordações que os faziam sofrer, foi que puderam encontrar este diário. Ele estava no assoalho de lenho destacado, onde ela criou um buraco como se fosse um cofre. Além de muito bem escondido, situava debaixo de um tapete... Mas, por que todo este segredo? Talvez, porque um alguém a controlava, havia poder sobre ela, mas por não resistir em demonstrar a si mesma o seu bem querer, por não resistir em escrever seu sentimentos, escondeu este diário à sete chaves.
Neste diário encontrado, que agora estou podendo mostrar a todos, existem palavras amorosas em um período de 4 meses a uma única pessoa que se chama Leonardo.  Fernanda, confiou em um estranho por ser jovem demais, estava se apaixonando por ele, como podemos ler aqui... Se apaixonou e Leonardo, o bondoso, soube conquistá-la com seu modo doce de ser mas... O Leonardo ruim, ao provocá-la, desejou sexo, algo que ela não esperava em um encontro inicial. Ela não estava preparada para isto, desejava um príncipe todo amoroso, pois, afinal, ela tinha apenas 13 anos!
Dois Leonardo sim. Leonardo bom se aproximou dela e Leonardo ruim a maltratou e depois, talvez se assustou com o que fez, procurando salvá-la mas... Era tarde demais.
Duas personalidades que não se encontram, não se conhecem. Leonardo bom não consegue ver o outro Leonardo que existe dentro de si e que agora, em uma prisão, ele esta mais que adormecido, sem ação.
"Onde a estrada me levar".... Peço aos Senhores jurados, que o leve a uma pena rigorosa. Este homem é perigoso.
Querem mais provas? Darei todas as provas necessárias para que cheguem a uma conclusão sem nenhuma precipitação. 
Foram meses e anos de pesquisas, para que eu pudesse neste apelo, mostrar toda a verdade... no corpo de Fernanda, o medico legal, em seus estudos, pôde relatar que o que se via era o DNA de Leonardo por toda a parte. 
E o sangue? Todo aquele sangue! Quem pode ver se assustou... Foi muita violência em uma só pessoa. Este homem desejou destruí-la ferozmente... Uma morte causada por ímpeto, fúria, raiva, por ter sido rejeitado. Além de não existir outro DNA em Fernanda que não fossem de pessoas do hospital, não foi encontrado, no local de sua morte, nenhum rastro de moto, não existia rastros de nenhum outro carro que não fosse de Leonardo aqui presente... O seu belo BMW verde estava lá e dentro dele, com certeza  estava Fernanda.


"Objeção, Senhor Juiz! O promotor, aqui presente, não pode dizer isto sem provas. Ninguém viu esta jovem dentro de seu carro."
"Objeção rejeitada... continue advogado..."

Ninguém pôde ver, porque foi um homem astuto, mas nenhum crime é perfeito! Falhas e mais falhas pode ser verificadas neste crime.
No local, não existia pegadas de um homem em fuga, não existia rastros de alguém correndo, nada! Nada que não fosse dos dois. Não tinha nem mesmo a arma do crime. Esta arma até hoje não foi encontrada. Muito astuto no momento crucial, mas... Muita falha quando quis demonstrar de ser um homem caridoso.
Onde pôde esconder uma arma em um momento como aquele? Neste momento, será que a sua mente estava lúcida? A estrada que ele percorreu, seguindo em direção a um hospital, podemos ver que paralelo a esta estrada, em um certo ponto, existe um rio. Talvez esta arma esteja ali, perdida no fundo deste rio, em meio às pedras... Uma arma que não encontraríamos com facilidade. 
Agora, eu pergunto diante de todo este Juri: Será que somente com existência desta arma é que encontraríamos a solução deste caso? Não, senhores Jurados! Não seria necessário esta arma para incriminá-lo! Este homem é o assassino e hoje poderei provar isto, junto aos seus pais aqui presente. 
Esta jaqueta sintética, que mostro agora a todos vocês, pertencia à Fernanda. A sua mãe conservou, dentro do armário de Fernanda, sem antes lavar. Ela está repleta de digitais de Leonardo e mais ainda... Foram encontrados cabelos de Leonardo, nesta jaqueta, mas... Estejam atentos a uma coisa, Senhores Jurados, Senhor Juiz... Fernanda não estava com esta jaqueta no dia do crime. Esta jaqueta retornou ao armário, sem que a sua mãe a lavasse, meses antes. Isto significa que eles já se encontravam e ela vestiu esta jaqueta em um destes encontros casuais... Talvez, tivesse sido o primeiro encontro com ele, isto não podemos dizer ao certo.
Hoje, depois de muitos esforços, muitas buscas, posso acusar com certeza Leonardo por esta morte horrenda, que deixou feridas em seus pais, feridas eternas.
E aqui, neste momento, diante de todos os Senhores presente, direi o meu muito obrigado à Deus por me guiar e para Fernanda eu quero dizer algo que ela merece escutar, seja  onde ela estiver..."Fernanda, a justiça foi feita! Vai em paz anjo! Procure estar ao lado de Deus, para sempre te aquecer e te proteger!"

Autora: Aymée Campos Lucas
Autora da pintura em tela: Sueli Gallacci


Elenco musical deste Conto: 
Pink Floid - Wish You Where Here
Limp Bizkit & GooGoo Dolls - Wish You where Here
Limp Bizkit - Mission impossible II Theme
Foi preciso retirar as músicas, elas estavam prejudicando o meu Blog.


Este conto, acho que ninguém vai ler, pois é muito grande! (risos)
Esta tela usada, faz parte de mais uma obra de Sueli Gallacci. Sueli me permitiu utilizá-las para escrever e através de suas telas eu poderei criar meus contos. 
Linda demais esta tela! Aqui deixo o link onde vocês poderão saber mais sobre a tela.
Depois deste conto, darei uma pausa porque quero dar fim ao meu amado livro: "Aventura de Louco... Todo mundo quer um Pouco." Sabe, eu devo isto aos meus fieis leitores, mas principalmente à mim mesma!



6 comentários:

  1. Aymée!

    Quem disse que eu não leria até o fim?... eu li, sim, e vou te contar, estava acreditando na inocencia do Leonardo... estava até sofrendo por ele rsrs.

    Mas quem diria hein Dona Aymée... De uns carrinhos tão bobinhos (eu odieeeei esse trabalho, contei isso lá no meu blog) Vc desenvolveu um conto policial com crime e tudo! rsrs. Olha, não sou escritora, só sei mesmo pintar, mas eu chamaria de 'conto narrativo', me corrija se eu estiver errada.

    Como escrevi há pouco lá no Face, vc tá saindo melhor que encomenda rsrs. Vamos mesmo ficar famosas owowowow

    Bjo grande, amiga! Parabénsssssssss

    ResponderExcluir
  2. Alô, Aymée!
    Vade retro com esse tal Leonardo!
    Mata e depois leva a vítima ao hospital!
    Mas esqueceu de apagar os traços de seu relacionamento com a vítima...
    Não existe crime perfeito!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Boa noite minha linda!
    Passando para falar de saudades...vc já existe no meu viver...
    Seu conto dar um livro...emocionante e cheio de suspense...
    bjs minha flor !

    ResponderExcluir
  4. "As três faces de Eva" (anos 50) foi uma das primeiras obras a abordar o "transtorno de personalidade múltipla" e também virou filme. Das impressões que me ficaram da leitura nasceu-me um projeto louco: criar um "blog" cujo titular (fictício) seria portador desse distúrbio, já ciente de sua condição. Detalhe: uma das personalidades seria predominantemente masculina e a outra, feminina, habitando alternadamente um corpo hermafrodita, e comunicando-se com seu "alter ego" unicamente através de seus diários, das postagens no "blog", recadinhos e sinais previamente combinados. O foco seriam os conflitos de opinião, começando pelo "layout" do "blog" e evoluindo ao longo dos "posts" para temas mais polêmicos e pessoais.
    Se eu achar os rascunhos, te mando. E parabéns pelo texto magnífico!
    Abraços.
    PS: Pra quem não sabe ler, dois pingos é uma tempestade!

    ResponderExcluir
  5. Amiga lembrei de um filme com a Angelina Jolie que se chama: Roubando vidas. O assassino fala na cara dura que viu o cara matando e destruindo o rosto da vítima como uma pedra. e que tentou ajudar. Angelina é do fbi e até ela acredita no bom moço. a ponto de relacionar-se sexualmente com ele. por fim ela descobre que ele é o assassino, na verdade em série. Já haviam várias outras mortes, onde ele matava e tomava o lugar da pessoa, na casa, no trabalho, usava cartões de crédito, contas bancárias, mudava o rosto, nome. Muito bem feito. Assim como o seu conto. Eu leio tudo, não tenho problemas com textos grandes pq sou acostumada a ler com cara de fome, duzentas, trezentas páginas. Amo uma história. Uma ótima semana pra ti querida. Bjs da Jooi.

    ResponderExcluir
  6. Li o conto todo com especial interesse! Senti a emoção á flor da pele! A vida por vezes nos reserva grandes surpresas!
    Gosto da tua forma de expressão. Tens criatividade e talento!

    Beijos,
    AL

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar... A sua opinião, para mim, é muito gratificante.