Os InVerSos dEnTROoo De MiM!

Seja Bem Vindo em Meu Blog!
Desejo Muito que Possa Apreciá-lo. São Textos e Poemas Escritos Por Mim.
Eu Gosto Muito de Escrever... Na Verdade, Eu Amo Escrever.



quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Resistir Ao Te Ver... Até tento! Se Te Olho, Eu Invento!


O HOMEM DO JORNAL
 
Porque a vida fez isto comigo? Porque não pude viver o amor que tanto desejei e que pensava que me faria tão feliz!
Quantos anos de minha vida passei dentro de um Café, a apreciar nas minhas manhãs toda a alegria que pudesse existir naquele lugar. O Café Florian foi para mim o ponto crucial de minha jornada que a cada dia era sempre cheia de realizações... Ele me dava mais vida! 
Todos os dia pela manhã, apesar de ser um homem solitário, sempre me sentia uma pessoa radiante porque tinha tanta gente que alegrava a minha vida! Os sorrisos, amizade que criei ali, não teria palavras para descrever o quanto eram importantes para mim... As mesmas pessoas todos os dias, procurando um pouco mais de afeto, por alguém que lhe desejava doar. Éramos realmente felizes juntos! O que posso dizer mais... talvez diria que o lugar tinha magia, a beleza simples criada ali, nos dava conforto. Cada detalhe do Café Florian nos envolvia, não tinha como desejar em conhecer outro lugar.

Quando estava sentado em minha sólita mesa... Parecia que aquela mesa tinha um nome, tinha meu nome... Maurício! Ninguém sentava nela, ninguém a ocupava! Todos sabiam que aquele lugar pertencia a Maurício. Quem a olhasse e não me visse ali, poderia dizer assim mesmo um belo "Bom Dia!" porque seguramente, eles me enxergavam sentado naquela confortável cadeira, mesmo se não estivesse por motivos de atraso.
Mas tudo mudou! O tempo vai passando... Se passaram anos e eu não consigo esquecer aquele dia... Eu não consigo encontrar o meu caminho! Para onde devo ir meu Deus, senão vivi o que queria muito viver? 
Ah se Deus me permitisse em voltar no tempo, lhe pediria para me sentar ali novamente e naquele momento em que tudo aconteceu, esperasse ao menos poder ter conhecido Elise! Precisava tanto ter visto aquele rosto ao menos uma vez, ter tocado, ter acariciado seus olhos azuis com meus lábios que estavam quentes de desejos por ela.
Mas a vida é imprevisível e tudo pode acontecer, quanto menos a gente espera... Será destino meu Deus? Era este o meu destino? Porque? E porque todos daquele Café tinha o mesmo destino que eu? Quantos estão vagando em algum lugar, tentando recuperar algo do passado que um dia foi brilhante, quantos imploram ao Senhor para rever pessoas que um dia foram caras para nós?
Eu sempre pensei que na vida éramos nós que fazíamos as nossas escolhas, mas na verdade acho que não é assim.
Escolhi sim tanta coisa para mim, como um certo dia que ao passar diante do Café Florian pela primeira vez, escolhi de entrar em uma de minhas manhãs, para nunca mais deixar um dia sequer, sem dar a minha presença aos que me receberam de braços abertos... Dona Lara toda sorridente e amável, seu Domênico que falava grosso mas tinha um coração mole... Com certeza era ele que sem ninguém esperar, pagava o café para todos dizendo: "Oferta da casa!"
Aquele homem se sentia realizado com o que construiu, acho que trabalhava ali, com o prazer que qualquer cidadão desejaria ter em uma profissão.
Apenas alguns momentos a mais era o que eu queria...

Quando me sentava tranquilamente para ler o meu jornal, folheava rapidamente as páginas porque eu queria chegar na minha página preferida...  "O circulo do amor"! Era ali o meu divertimento, o meu maior prazer em comprar o jornal. Eu lia muitas cartas de amor, onde pessoas se apresentavam solitárias, à procura de uma alma gêmea e sempre que lia, eu percebia que um deles com o tempo, conseguia se realizar encontrando alguém para amar e...  Por ler atenciosamente, notava sempre Elise... Ela não deixava de escrever sobre ela! Em suas cartas, ela dizia que ainda não tinha conseguido, depois de tanto escrever, encontrar a pessoa de seus sonhos e... Eu a cada dia que passava, me apaixonava mais e mais por ela.
Dona Lara começou a notar que eu estava diferente. Ela dizia que meu olhos brilhavam e que eu sorria sozinho, logo eu que quase não sorri, estava sempre sorrindo para mim mesmo, ao ler o jornal. Eu lia e via aquela doce mulher na minha frente... Era carinho, era desejo! 
Ao contar para ela de Elise, ela me deu o empurrão que precisava para entrar em ação!
"A senhora acha, Dona Lara, que devo mesmo escrever para ela?"
"Mas claro que sim! Nem sei porque você está ainda esperando... Eu não vejo a hora de ver esta mesa rodeada de gente que você ama... Não vejo a hora de te ver aqui, anos afora, a tomar o seu café com sua esposa e seus filhos. Aqui é sua casa meu filho! Eu te quero muito bem e preciso te ver realizado. Não se vive só de trabalho e amigos, você precisa ser feliz como eu sou, para saber o quanto o amor te dá asas para crescer e se realizar. Olha só Domênico como é feliz! Nós dois construímos este Café com muito esforço mas... Foi o amor que permitiu isto."
Acho que meu destino não era ao lado dela... Elise, eu não pude conhecer, porque o destino dela deveria ser outro!
Naquele dia de tanto incentivo, Dona Lara me entregou uma caneta e folha e me ordenou de escrever e assim fiz. Escrevi uma linda carta e enviei para o jornal, sabia que ela a receberia. Tempos depois escrevi outra e mais outra, quando sem nem imaginar, recebi a resposta tão esperada. Ela me escreveu! Elise queria me conhecer!
Que carta doce, que mulher maravilhosa! Não via a hora de vê-la!


Me lembro tão bem daquele dia... Comprei roupa nova, sapatos de couro inglês, até gravata usei naquele dia para esperar a sua chegada. Decidi por um terno marrom quase caramelo, uma calça marinho e a camisa branca, é claro! O branco representaria para mim, a paz que eu queria mostrar... Eu só queria viver com muita paz junto a Elise!  
Eu me sentia o homem mais feliz do mundo, me sentia até muito belo! Dentro de mim, nasceu uma energia que poderia iluminar aquele bar, mesmo se por algum instante, não pudesse existir luz ali!
Dona Lara também estava com roupas novas, o Café foi todo reformado, dando um toque de pintura fresca. Nem seu Domênico se importou com as despesas, ele não via a hora de me ver feliz e realizado. Era um carinho inconfundível!
Aquele momento estava mesmo agitado e então ao notar tanta euforia, pedi que todos procurassem disfarçar, criando um cenário de despreocupação para não perturbar ou envergonhar Elise. Afinal... Todos sabiam que ela estava para entrar ali a qualquer momento e... Faltava apenas 3 minutos para a sua chegada quando tudo aconteceu... O Café Florian explodiu! 
Havia um único homem estranho ali naquele dia, ninguém nunca o tinha visto... Parecia tão sereno, senti até vontade de poder conhecê-lo, fazer amizade, dar as boas vindas mas em vez... Era um terrorista, um camicaze! Ele nos levou com ele para algum lugar deste espaço... Ninguém sobreviveu.
Eu nunca pude ver Elise sorrir para mim. E até hoje tento implorar a Deus... Queria tanto que ELE fizesse o meu destino mudar e de alguma forma me levasse para perto dela, nem que se fosse um animal de estimação, um cão talvez... Eu só queria poder ver o rosto dela! Eu só queria poder ser feliz ao lado dela!

Autora do conto: Aymée Campos Lucas 
Autora da pintura em tela: Sueli Gallacci

Música deste conto: 
Jeff Buckley - Hallelujah
Luwig Van Beethoven - Fur Elise
Foi preciso retirar as músicas, elas estavam prejudicando o meu Blog.




Parece fixação, querer escrever contos, sempre com esta imagem, esta tela ("O Café" - Espátula e pincel sobre painel) Decidi escrever mais uma estória porque achei que esta tela precisava de um conto romântico e dramático ao mesmo tempo! Agora escrevendo (Três em Uma) três contos em uma só imagem, desejaria muito saber de qual o leitor gostou mais, qual foi o estilo que mais lhe agradou? Estou mesmo muito curiosa!


4 comentários:

  1. Gostei de todos mas achei o segundo mais "gostoso" de ler. Assassinos e terroristas não são tão divertidos como os tropeções conjugais, embora tenham mais ibope...
    Abraços, Aymée.

    ResponderExcluir
  2. Aymée, estas alternativas dão uma boa amostra da tua consistência e criatividade, além da ousadia que faz parte das tuas criações.
    A princípio, me causou impacto o primeiro conto, mas se for para escolher entre os três, eu te diria que o segundo me agradou mais, pois o primeiro, apesar de criativo, é meio sombrio, e o terceiro, também muito bom, tem este final tão melancólico!
    O segundo tem um ritmo mais "amigável" e um final feliz e bem-humorado.
    No momento, estou preferindo coisas assim!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. NOOOOOOSSAAAAAAA, mas que final surpreendente!!! rsrs. Espertava tudo menos isso! Vc se superou rsrs

    Olha, é difícil dizer qual o melhor, são tão marcadamente diferentes. Mas concordo um pouco com o Leonel, o segundo tem mais espírito, é mais cotidiano e, se posso dizer, corriqueiro. Gosto de romances, dramas, suspenses e etc., mas vc me conhece... não resisto a um texto engraçado rsrs. De fato são os meus prediletos!

    Bjo linda! Até o próximo!

    ResponderExcluir
  4. Quantas e quantas pessoas tiveram suas vidas encerradas por motivos como este, hein. Três contos, idéias diferentes, detalhes diferentes. Impressiona de tão bom. Ah amiga, sou suspeita pra falar. Gostei dos três, mas se é pra apontar um eu prefiro o segundo.
    Uma ótima semana pra ti viu. Bjs da Jooi.

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar... A sua opinião, para mim, é muito gratificante.